União Europeia e Merkel ao lado de Macron contra Bolsonaro

Presidente francês quer discutir os incêndios na floresta amazónica na cimeira dos sete países mais industrializados do mundo, marcada para este fim de semana. A União Europeia está "profundamente preocupada" e Merkel quer ver o assunto debatido na cimeira do G7.

O presidente francês foi o primeiro líder a chamar a atenção para os incêndios que devastam a Amazónia. Esta sexta-feira, a União Europeia e Merkel unirem-se a Macron na preocupação com os incêndios que lavram na Amazónia há um mês.

A Comissão Europeia mostrou-se hoje "profundamente preocupada" com os incêndios na floresta da Amazónia, no Brasil, manifestando apoio ao pedido feito pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para debater esta situação, o que já motivou críticas do governo brasileiro.

"A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e contém um décimo das espécies mundiais. É por isso que saudamos as intenções do Presidente [francês] Macron em discutir esta questão na cimeira do G7, dada a necessidade de atuar rapidamente", afirmou a porta-voz do executivo comunitário Mina Andreeva na conferência de imprensa diária da Comissão Europeia, em Bruxelas.

A responsável notou que a União Europeia (UE) está já "em contacto com as autoridades brasileiras e bolivianas" sobre esta questão.

"E estamos prontos para ajudar como pudermos, desde logo fornecendo assistência ou ativando o nosso sistema de satélites Copernicus", apontou Mina Andreeva.

Também a chanceler alemã Angela Merkel falou sobre estes incêndios.

"Emergência aguda", diz Merkel

Os incêndios na Amazónia constituem uma "situação de emergência aguda" que deve ser discutida na cimeira do G7 este fim de semana, declarou hoje o porta-voz de Angela Merkel, apoiando um pedido de Emmanuel Macron nesse sentido.

"A chanceler está convencida" de que a questão "deve integrar a agenda dos países do G7 quando eles se reunirem este fim de semana" em Biarritz, em França, declarou Steffen Seibert, porta-voz da chefe do Governo alemão, numa conferência de imprensa em Berlim.

"A chanceler apoia completamente o Presidente francês" neste assunto, adiantou. "A magnitude dos incêndios no território da Amazónia é assustadora e ameaçadora, não apenas para o Brasil e os outros países envolvidos, mas para o mundo inteiro", acrescentou.

Macron, o primeiro a falar

"A nossa casa está a arder". O presidente francês, Emanuel Macron, quer que os incêndios na Amazónia sejam discutidos na cimeira do G7 que se realiza este fim de semana em Biarritz, no sudoeste da França. O apelo não foi bem recebido pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que veio acusar Macron de "mentalidade colonialista" e de querer usar os fogos para proveito político próprio.

"A nossa casa está a arder. Literalmente. A floresta da Amazónia - o pulmão que produz 20% do oxigénio do planeta - está a arder. É uma crise internacional. Membros do G7 vamos discutir esta emergência dentro de dois dias", escreveu Macron.

Três horas depois, Jair Bolsonaro escreve, também no twitter, que Macron está a "instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazónicos" para proveito próprio. E, num segundo tweet, acrescenta que a "sugestão do presidente francês, de que assuntos amazónicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI". O G7, que junta os países mais industrializados do mundo, conta com a participação dos líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

A mensagem escrita no twitter por Emmanuel Macron está também a ser alvo de críticas por mostrar uma fotografia antiga, que não retrata a situação atual na floresta amazónica.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro, o número de incêndios no Brasil aumentou 83%, em comparação com o período homólogo de 2018.

Também António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, veio dizer que a Amazónia "tem de ser protegida": "Em plena crise climática global não podemos suportar mais danos a uma fonte tão importante de oxigénio e biodiversidade".

Ameaça de veto ao tratado de comércio livre com a Mercosul

O presidente francês considera opor-se às novas condições do tratado comercial entre a União Europeia e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) porque o presidente do Brasil estava a mentir quando desvalorizou as alterações climáticas na cimeira do G20 no Japão, em junho, disse fonte do gabinete de Macron, citada pela Reuters.

"Tendo em conta a atitude do Brasil nas últimas semanas, o Presidente da República não pode se não constatar que o Presidente Bolsonaro lhe mentiu na Cimeira de Osaka", afirmou a presidência francesa, referindo-se à Cimeira do G20 que se realizou no final de junho.

"O Presidente Bolsonaro decidiu não respeitar os compromissos ambientais e não se empenhar em matéria de biodiversidade. Nestas condições, França opõe-se ao acordo com o Mercosul tal como está", acrescentou.

Finlândia propõe boicote à carne brasileira

A Finlândia, que detém a presidência rotativa da União Europeia, pediu esta sexta-feira à UE que considere a possibilidade de proibir a carne bovina brasileira no seus mercados devido à devastação causada pelos incêndios na floresta amazónica.

"A ministra das Finanças, Mika Lintila, condena a destruição das florestas tropicais da Amazónia e sugere que a UE e a Finlândia deveriam rever com urgência a possibilidade de banir as importações brasileiras de carne bovina", disse o Ministério das Finanças da Finlândia em comunicado.

[atualizado às 15.07]

Exclusivos