Lula: "Acho que o Moro foi picado pela mosca azul"

Ex-presidente faz referência ao animal cuja picada enche os humanos de ambição. Relativiza deserção do PMDB e diz que é preciso mudar humor do país antes de mudar economia

Lula da Silva considera Sérgio Moro competente, inteligente e a prestar um grande serviço à democracia brasileira mas recorreu a uma metáfora para afirmar que o juiz que conduz a Operação Lava-Jato e autorizou a divulgação das suas escutas está deslumbrado com o poder. Numa entrevista concedida a correspondentes internacionais em São Paulo, o ex-presidente e, talvez, futuro ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff desdramatizou a crise do governo com a mais que provável saída do maior aliado, o PMDB, a partir de hoje.

"Tudo o que sei do juiz Moro é que ele é inteligente e competente mas como ser humano parece que foi picado pela mosca azul [segundo a lenda, a que um poema de Machado de Assis faz referência, quem é picado pela mosca azul é consumido por uma ambição sem limites]", disse Lula. "Acho que ele está cumprindo um papel extraordinário para a democracia brasileira mas a divulgação de conversas privadas foi deprimente, pobre, de má-fé, o objetivo foi destruir a minha imagem."

As escutas terão contribuído para que Lula, logo após ser nomeado braço direito da sucessora Dilma Rousseff no governo, tenha visto a posse suspensa. Critica, pelo facto, o PSDB, principal partido da oposição, e também o juiz do Supremo Gilmar Mendes, que deu andamento a uma queixa dos tucanos, membros do PSDB, em tempo recorde. "Nunca pensei que os tucanos se fossem queixar ao Gilmar Mendes, pensei que fossem fazer discursos e criticar mas irem diretos pedir ao Gilmar Mendes para vetar... e foi o veto mais rápido possível", disse.

O juiz Gilmar Mendes, considerado hostil a Lula, participará a partir de hoje em Lisboa num seminário na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, ao lado de Aécio Neves e José Serra, dois presidenciáveis do PSDB.

Essa hostilidade latente no país prejudica a economia, diz Lula, para quem é preciso "mudar o humor do Brasil para mudar a economia". "Se você mudar o humor do país, no dia seguinte muda a economia, a sociedade está muito azeda." Mas o clima de tensão nas ruas, onde o ex-presidente costuma aparecer em forma de boneco insuflável e vestido de presidiário, no que foi chamado de "pixuleko", não o incomoda. "Quem enche pixuleko nunca votou no PT mesmo..."

"Deixem a Dilma governar"

Sobre a crise no governo com a iminente deserção do PMDB recorreu à história recente para relativizar. "Quando eu ganhei as eleições em 2003, num primeiro momento o PMDB também não me apoiava mas uma parte, quer do PMDB da Câmara quer do PMDB do Senado, sim, e eu consegui governar. No segundo mandato tive o apoio do PMDB formal mas não todo, diretórios de alguns estados não me quiseram apoiar. Acho que vai acontecer neste caso o mesmo que aconteceu em 2003, vamos conseguir fazer uma base parlamentar mas sem o acordo da direção."

Lula vai agora conversar com dirigentes peemedebistas, incluindo Michel Temer, o presidente do partido e vice-presidente de Dilma. "Vou conversar com muita gente, não sei se os ministros do PMDB no governo saem ou não, vejo com tristeza a situação, claro, mas temos de fazer uma espécie de junta médica agora para não "chutar" coisas para o ar sem sabermos."

E sobre o impeachment disse que "vai prevalecer o bom senso, deixem esta mulher governar o país, ainda não o deixaram desde as eleições, ninguém é obrigado a gostar dela mas ela foi eleita..."
Para já, em Brasília, os deputados do PR, do PP, do PSD e de outras nove forças políticas indecisas entre o governo e a oposição valem o seu peso em ouro para PT e PMDB, que correm a apaparicá-los, como se fossem obras de arte preciosas em leilão, na véspera da rutura anunciada entre ambos e a mais ou menos uma semana de ser votada a destituição ou continuidade da presidente e consequente subida à chefia de Estado ou não do vice Michel Temer.

Em São Paulo

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.