Lagarde alerta para crescimento global frágil e ameaçado pelas tensões comerciais

A ainda diretora-geral do FMI pediu aos líderes mundiais que trabalhem juntos para tentar resolver as "fragilidades e as incertezas".

Christine Lagarde, diretora-geral cessante do Fundo Monetário Internacional (FMI), sublinhou esta quinta-feira que o crescimento global está "frágil e ameaçado" devido, em parte, à guerra comercial e ao Brexit.

Em entrevista à agência de notícias France-Presse (AFP), em Washington, a futura responsável do Banco Central Europeu descreveu a expansão como "bastante medíocre" e pediu aos líderes que trabalhem juntos para tentar resolver as "fragilidades e as incertezas". "Quer se trate de relações comerciais, do Brexit, ameaças tecnológicas, estes são problemas criados pelo homem e que podem ser resolvidos pelo homem", vincou Lagarde, observando que "um pouco de feminilidade não seria prejudicial".

No final de julho, o FMI tinha reduzido a previsão de crescimento global para 3,2%. Desde então, advertiu que as tensões comerciais podiam desacelerar ainda mais a atividade económica. Por seu lado, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) previu que o crescimento global em 2019 seja "o mais baixo desde a crise financeira", depois de ter caído para 2,9% em 2008, e para -0,5% no ano seguinte.

Questionada se poderá fazer mais para convencer os líderes quando assumir o BCE, em novembro, Christine Lagarde assegurou que vai continuar "determinada a garantir" o foco na "criação de emprego, na produtividade e na estabilidade". No entanto, sublinhou que as instituições monetárias devem ser "previsíveis e respeitar factos e dados económicos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.