Kirchner, Dilma, Maduro. Ocaso da esquerda latino-americana?

Ano negativo após década hegemónica com vitória de Macri na Argentina, impeachment em curso da presidente brasileira e conquista da oposição nas eleições venezuelanas

Após mais de 15 anos de hegemonia, a esquerda latino-americana enfrenta o seu maior desafio por causa da mudança do ciclo económico, da corrupção, da emergência de uma classe média com novas exigências políticas ou do cansaço com a perpetuação no poder. A argentina Cristina Kirchner, impossibilitada por lei de concorrer a um terceiro mandato, não conseguiu eleger o seu sucessor em novembro. No Brasil, Dilma Rousseff enfrenta um impeachment. E na Venezuela, depois de ter perdido as parlamentares em dezembro, o presidente Nicolás Maduro está debaixo de fogo. E agora?

"Um atrás do outro, os totens das esquerdas latino-americanas caem como peças de um dominó que avança implacável", escreveu o editor de internacional do El País, Andrea Rizzi, falando no "ocaso" das formações ditas progressistas da região. Mas o investigador Carlos Malamud, do Real Instituto Elcano, considera que "ainda falta muito" para falar nesse ocaso da esquerda e da emergência da direita. "É verdade que estamos numa mudança de ciclo económico, como consequência da queda do preço das matérias-primas, mas no caso político, penso que mais do que uma mudança de ciclo estamos numa mudança de conjuntura", disse ao DN.

"A mudança de ciclo económico leva a que os distintos governos tenham menores rendimentos com os quais financiar as suas políticas públicas, começando pelas políticas sociais", refere Malamud. Numa situação de emergência das novas classes médias, que considera "a grande conquista da década passada", surgem também novas exigências políticas. "Entre estas exigências há uma clara: a da luta contra a corrupção", lembra.

Ascensão e queda

Em 1999, a vitória de Hugo Chávez na Venezuela marcou o início da expansão da esquerda na América Latina. Dez anos depois, a revolução bolivariana chavista estava em curso e era exportada através da Aliança Bolivariana para as Américas (Alba). No Brasil, Lula da Silva aproximava-se do final do segundo mandato e preparava a sucessora Dilma Rousseff. Na vizinha Argentina, Néstor Kirchner já passara a pasta à mulher, Cristina Kirchner. Na Nicarágua, 30 anos após liderar a revolução que derrubara a ditadura dos Somoza, o sandinista Daniel Ortega já voltara ao poder.

No Chile, a presidente Michelle Bachelet, alcançava valores recordes de popularidade no final do mandato. Na Bolívia, o índio aymara Evo Morales era reeleito com 65% dos votos. Rafael Correa fazia o mesmo no Equador, com 52%, já depois de ter mudado a Constituição. Em 2009, o Uruguai era presidido por Tabaré Vázquez e preparava-se para eleger José Mujica, um ex-guerrilheiro. Já El Salvador elegia Maurício Funes, da Frente de Libertação Farabundo Martí (ex-guerrilha).

Hoje o cenário é diferente. A vitória de Maurício Macri, na Argentina, marcou o fim de 12 anos de kirchnerismo. Na Venezuela, a vitória da oposição nas parlamentares precipitou a contestação a Maduro, que tenta escapar a um referendo revogatório. Na Bolívia, Morales perdeu a consulta popular que lhe permitiria concorrer a um novo mandato. E no Brasil, Dilma está suspensa.

No Peru, Ollanta Humala (que quando foi eleito em 2011 foi acusado de receber apoio de Chávez) optou por não se recandidatar. Amanhã, na segunda volta das presidenciais, a disputa faz-se à direita: entre Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori (detido por corrupção e violação dos direitos humanos) e Pedro Pablo Kuczynski.

"Estamos numa situação de mudança, de uma nova conjuntura política. O projeto hegemónico bolivariano perdeu a posição central no continente e a sua capacidade de incidência é menor. A Unasur é irrelevante e a Alba quase inexistente", explicou Malamud. "Depois da morte de Chávez [em 2013], nenhum líder latino-americano foi capaz de o substituir e as dificuldades económicas fazem com que o projeto tenha naufragado totalmente",disse.

Nem Cuba escapa, mais de meio século após a revolução. "De alguma maneira, a aproximação aos EUA responde à mesma dinâmica, à perceção por parte de Havana de que a crise venezuelana ia custar caro e que era melhor captar investimentos estrangeiros para sobreviver à crise", indicou ao DN.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.