Chelsea Manning vai regressar à prisão por recusar falar sobre Assange

Juiz norte-americano acusa ex-soldado de "entrave à boa marcha da justiça",

Um juiz federal norte-americano ordenou o regresso à prisão da antiga analista militar Chelsea Manning, por "entrave à boa marcha da justiça", por se recusar a responder a questões sobre o fundador da Wikileaks, Julian Assange.

Manning, que já passou sete anos atrás das grades por ter transmitido uma quantidade colossal de informações militares e diplomáticas à Wikileaks em 2010, "foi detida" depois à saída de uma audiência de um tribunal de Alexandria, perto de Washington, declarou o porta-voz dos seus advogados, Andrew Stepanian, à agência de notícias France-Presse.

O juiz Anthony Trenga acrescentou que Manning incorreria numa multa diária de 500 dólares, se continuasse a recusar cooperar ao fim de 30 dias de detenção e de mil dólares por dia, depois de 60 dias de detenção.

Chelsea Manning já passou sete anos detida por ter transmitido à Wikileaks em 2010 mais de 750 mil documentos diplomáticos e militares, cuja publicação colocou os EUA em situações embaraçosas.

A antiga militar tinha sido reenviada para a prisão em 08 de março, por se ter recusado a testemunhar perante um grande júri, constituído para inquirir sobre Julian Assange, denunciando um procedimento "opaco" e pouco democrático.

Instrumento-chave da justiça nos EUA, o grande júri é usado nos casos penais mais sérios e para conduzir uma investigação na maior confidencialidade.

Chelsea Manning tinha sido libertada há uma semana por uma questão técnica: o grande júri que desejava ouvi-la tinha acabado o seu prazo. Mas um novo coletivo de cidadãos escolhidos ao acaso acaba de ser constituído para prosseguir o inquérito.

Na quinta-feira tornou a recusar colaborar. "Não vou renunciar aos meus princípios. Prefiro literalmente morrer de fome, do que mudar de opinião", declarou perante o juiz Trenga.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.