EUA. Jovem de 17 anos, que diz ser português, detido por ameaças racistas

Detenção ocorreu em Charlottesville, a cidade dos confrontos raciais nos EUA, e o menor disse ser português. Ameaças pela internet de "limpeza étnica" levaram escolas da cidade, onde o suspeito não estuda, a encerrar durante dois dias.

Um adolescente de 17 anos, que a polícia apenas identificou como português, foi detido por ameaças racistas feitas através da internet em Charlottesville, Estados Unidos da América. A ameaça online de "limpeza étnica" de negros e de latinos levou a cidade do Estado da Virgínia a fechar todas as escolas públicas por dois dias na semana passada, enquanto a polícia investigava a credibilidade da mensagem. Na sexta-feira, o Departamento de Polícia de Charlottesville anunciou a detenção do jovem de 17 anos, cuja identificação não foi divulgada por ser menor.

O suspeito, que se identificou como português, de acordo com a polícia e a imprensa dos EUA, morava a cerca de 16 quilómetros de Charlottesville e não era aluno da escola secundária de Charlottesville, embora procurasse passar por estudante desse estabelecimento. Foi acusado de ameaça para cometer danos corporais graves a pessoas em propriedades escolares e ainda por assédio por computador. A primeira acusação é punível até cinco anos de prisão e multa até 2500 dólares. A segunda é uma infração, punível com uma multa até 1000 dólares.

A polícia não divulgou o nome do suspeito por ser um adolescente e, neste momento, é nessa condição que é acusado. Apenas foi revelado que reside em Albemarle County e não frequenta as escolas de Charlottesville.

"O ódio não é bem-vindo em Charlottesville. A violência não é bem-vinda. A intolerância não é bem-vinda", disse o chefe de polícia de Charlottesville, RaShall Brackney, em conferência de imprensa. Brackney disse que a ameaça se referia a "limpeza étnica" e que os estudantes seriam alvos selecionados com base na sua etnia.

Em resposta a uma pergunta sobre a raça do autor das ameaças, Brackney disse que o suspeito se identifica como português. Quando questionado se era cidadão americano, o chefe da polícia apenas afirmou que o departamento não leva em conta a condição de imigração das pessoas quando investiga crimes.

A Polícia de Charlottesville diz ter feito uma "investigação completa e robusta", com a cooperação do FBI e outras polícias locais, depois de ser notificada sobre um post no 4chan, um site de discussão com vários fóruns em que os autores são por regra anónimos. O referido post "continha linguagem vil e racista que visava estudantes afro-americanos e hispânicos", adiantou a polícia que chegou ao suspeito através da identificação do IP que usava.

"É preocupante que uma pessoa que não faz parte do sistema escolar de Charlottesville tenha feito uma ameaça com tanto ódio e tão divisiva, sob o pretexto de ser estudante da Charlottesville High School", disse a superintendente da polícia de Charlottesville, Rosa Atkins.

Em 2017, o Unite the Right Rally, um encontro de supremacistas brancos que terminou com uma morte e dezenas de feridos, lançou Charlottesville no centro das atenções. Betsy Roettger, uma mãe da cidade, disse à Newsweek que a recente ameaça "realmente reabre toda a angústia dos últimos dois anos". No entanto, está convencida que os sentimentos expressos na ameaça online não representam a maioria da população da cidade.

A investigação policial começou na quarta-feira, dia 20, quando o Departamento de Polícia de Charlottesville foi alertado sobre uma ameaça online contra estudantes da Charlottesville High School. A ameaça usava uma "linguagem baseada em preconceitos" que visava grupos étnicos específicos na escola secundária.

Enquanto oficiais e autoridades federais investigavam a credibilidade da ameaça, Charlottesville fechou todas as escolas públicas do distrito na quinta-feira e as manteve fechadas na sexta-feira. "Gostaríamos de condenar o fato de a ameaça ser de tom racial", disse a direção do distrito escolar. "Não toleramos ódio ou racismo. Estamos juntos e uma ameaça contra um é uma ameaça contra todos."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.