José Eduardo dos Santos recandidata-se à liderança do MPLA

A candidatura foi aprovada por unanimidade pelos 264 membros do Comité Central do partido

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que anunciou que deixa a vida política ativa em 2018, foi o único a avançar, até agora, com uma candidatura à liderança do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

A informação foi prestada pelo vice-presidente do partido que está no poder em Angola desde 1975, Roberto de Almeida, tendo acrescentado que o processo de receção de candidaturas "continua aberto até finais de junho".

"O prazo continua em aberto, mas até à data em que eu falei não tínhamos qualquer outra candidatura, além da candidatura do camarada presidente José Eduardo dos Santos", disse Roberto de Almeida, em declarações divulgadas hoje pela imprensa local.

O Comité Central do MPLA aprovou a 11 de março deste ano a candidatura de José Eduardo dos Santos à liderança do partido, a ser eleita no VII congresso, que se realiza entre 17 e 20 de agosto deste ano e que vai preparar as eleições gerais angolanas de 2017.

De acordo com o comunicado final da reunião, a candidatura foi aprovada por unanimidade pelos 264 membros do Comité Central do partido, presentes ao evento, de um total de 311 que integram aquele órgão deliberativo.

José Eduardo dos Santos, presidente do MPLA e chefe de Estado angolano há 36 anos, anunciou no mesmo dia, antes desta aprovação, que deixa a vida política ativa em 2018, ano em que completará 76 anos.

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", anunciou José Eduardo dos Santos.

Entre outros momentos, recordou na ocasião que integrou o movimento anticolonial em 1960, aos 18 anos, e que em 1974 foi eleito membro da direção do MPLA.

Contudo, neste discurso, o chefe de Estado angolano não clarificou em que moldes será feita a sua saída da vida política e se ainda estará disponível para concorrer às eleições gerais de agosto de 2017, antes da sua retirada.

José Eduardo dos Santos é Presidente de Angola desde setembro de 1979, cargo que assumiu após a morte de Agostinho Neto, o primeiro Presidente angolano.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.