Japão sacudido por sismo de 6,1

O arquipélago japonês foi atingido esta tarde por um intenso terramoto

O Japão foi atingido esta quarta-feira por um sismo de intensidade 6,1 na escala de Richter, segundo o US Geological Survey (USGS).

De acordo com esta agência de geofísica norte-americana, o sismo situou-se a 281 km da cidade de Kamaishi, a 10 km de profundidade.

Não são ainda conhecidos registos de vítimas ou danos materiais e não há, para já, alerta de tsunami.

Segundo o USGS, terão sido sentidos pequenos abalos e apenas na ilha de Honshu e o risco de destruição é baixo.

Este sismo é semelhante a um tremor registado em 2011 que matou quatro pessoas.

O Japão, localizado na junção de quatro placas tectónicas, é atingido anualmente por mais de 20% de todos os terremotos mais fortes registados na Terra. Os danos, no entanto, são limitados, mesmo em caso de fortes tremores, por causa dos padrões estritos para a construção de edifícios que o país tem.

Em março de 2011, um terremoto de magnitude 9,0 na escala de Richter, perto do máximo alguma vez registado, fez cerca de 18.000 mortos e desaparecidos e causou um desastre na central nuclear de Fukushima, onde três reatores (dos seis no total) entraram em fusão. Foi o pior acidente nuclear da história, desde o desastre na central soviética de Chernobyl (na Ucrânia) em 1986.

(Em atualização)

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.