Israel prende antigo ministro acusado de ser espião do Irão

Ex-ministro de Yitzhak Rabin, Gonen Segev já estivera preso por tentativa de tráfico de droga

O Gabinete de Segurança Israelita anunciou nesta segunda-feira a detenção do antigo ministro da Energia e Infraestruturas Gonen Segev, acusado de espionagem para o Irão.

Segev, que já esteve preso por tentativa de contrabando de droga, terá sido recrutado na embaixada do Irão na Nigéria, afirmam as autoridades, e ter-se-á encontrado com os seus contratantes duas vezes no Irão, além de reunir com agentes iranianos em hotéis e apartamentos em todo o mundo. Terá recebido um "sistema de comunicações secreto para encriptar mensagens" que trocava com os contratantes.

O ex-ministro foi extraditado da Guiné Equatorial e detido quando chegou a Israel no mês passado por ser suspeito dos crimes de "ajudar o inimigo na guerra e espiar contra o Estado de Israel".

Segev terá atuado como agente dos serviços secretos iranianos e passado informações "relacionadas com o mercado de energia e com locais ligados à segurança, incluindo de edifícios e de responsáveis políticos ou de organizações de segurança".

Ministro no governo de Yitzhak Rabin (em cima na foto) entre 1995 e 1996, Sege foi condenado em 2006 por tentar entrar no país com 25 mil comprimidos de Ecstasy vindos da Holanda. O médico, a quem a licença foi revogada, acabou por ser libertado da prisão em 2007 e esteve a viver em África nos últimos anos. Na semana passada foi apresentada acusação contra ele por espiar para o inimigo, além de uma série de outras ofensas, afirma a CNN.

O comunicado indica ainda que Segev manteve contactos com civis israelitas que tinham ligações à segurança do país e às relações externas, tendo procurado juntá-los com agentes iranianos que se apresentavam como empresários.

Israel considera o Irão a sua principal ameaça, evocando apelos à destruição do Estado hebreu e o apoio de Teerão a grupos hostis como o movimento xiita libanês Hezbollah.