Isabel II perdeu mais um cão. E só lhe resta a cadela Candy

Vulcan era um cachorro de raça corgi. Em novembro, a família real inglesa já tinha ficado devastada com a morte de Lupo, um cocker inglês.

A rainha Isabel II de Inglaterra perdeu mais um cão. De acordo com a CNN, que cita jornais ingleses, Vulcan morreu nos últimos dias no castelo de Windsor, uma perda que deixou a monarca bastante abalada, até porque agora tem apenas mais um cachorro, no caso uma cadela de nome Candy.

Vulcan era cão de raça corgi, de pernas curtas e orelhas sempre em pé, que apareceu ao lado da rainha em muitas fotografias - como na capa da revista Vanity Fair, em 2018. E é o segundo cachorro da família real a morrer no espaço de um mês, depois de Lupo, de nove anos, um cocker inglês de cor preta, que faleceu no mês passado.

Quando Lupo morreu, o príncipe William e Kate Middleton lamentaram a perda do cão da família com uma dedicatória especial no Instagram. "Infelizmente, no passado fim de semana, o nosso cão, Lupo, morreu. Ele fez parte da família, nos últimos nove anos, e vamos sentir muito a sua falta", podia ler-se na publicação feita na página oficial dos duques de Cambridge, no Instagram, na legenda de uma imagem do cocker inglês de cor preta.

No ano passado, a rainha já tinha perdido Willow, a última descendente do seu corgi original, Susan, o cão que Isabel II recebeu no seu aniversário de 18 anos, em 1944. Isabel II era tão apegada a Susan que a levou na lua-de-mel com o príncipe Philip em 1947.

Os cães corgi entraram na casa real em 1933. Foi o pai da rainha que trouxe o cão, de nome Dookie. Mais tarde chegou uma cadela, Jane, que deu à luz Crackers e Carol. Crackers viveu quase 14 anos e era o preferido de Isabel II.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG