Irão pode estar a desafiar ONU nos mísseis, mas não no nuclear

O secretário-geral da ONU advertiu que o Irão pode estar a desafiar o pedido da ONU para parar o desenvolvimento de mísseis balísticos, mesmo que cumpra o tratado nuclear com as seis potências mundiais.

António Guterres disse, num relatório para o Conselho de Segurança a que a agência noticiosa norte-americana Associated Press teve acesso na quarta-feira, que as Nações Unidas estão a investigar a possível transferência de mísseis balísticos para os rebeldes huthis xiitas no Iémen, que podem ter sido usados nos lançamentos dirigidos à Arábia Saudita, efetuados a 22 de julho e a 04 de novembro.

O relatório analisa a implementação de uma resolução da ONU em apoio do acordo nuclear de julho de 2015 e no documento António Guterres sublinhou que o acordo alcançado entre o Irão e as seis potências mundiais (Estados Unidos, França, Reino Unido, China, Rússia e Alemanha) é "a melhor forma" de garantir a natureza pacífica do programa nuclear iraniano.

Para o secretário-geral da ONU, a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciada a 13 de outubro, de não certificar o acordo gerou uma "incerteza considerável" em relação à sua continuação.

"Sinto-me tranquilo desde que os Estados Unidos manifestaram o compromisso de se manterem, por agora, no acordo", afirmou António Guterres, apesar de Trump ter deixado em aberto a possibilidade de se retirar do mesmo.

O secretário-geral da ONU sublinhou o apoio dado ao tratado com o Irão pelos restantes signitários, China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha, União Europeia e vários outros países.

De acordo com o documento, Guterres reiterou a necessidade de "os Estados Unidos manterem os seus compromissos em relação ao plano", e pediu a Washington para considerar "as vastas implicações para a região antes de tomar qualquer posição no futuro".

Da mesma forma, o Irão "deve ter em conta as preocupações manifestadas por outros participantes no acordo", sublinhou o secretário-geral da ONU.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.