Investigação responsabiliza agência de viagens pela morte de turistas mexicanos no Egito

Doze turistas morreram em setembro, bombardeados por aviões de combate, quando seguiam no deserto ocidental

A investigação ao ataque aéreo do exército egípcio que matou por engano oito turistas mexicanos e quatro egípcios, em setembro, indica que a agência turística que organizou a viagem é responsável pelo incidente, revelaram as autoridades mexicanas.

Os turistas morreram a 13 de setembro, quando aviões de combate, incluindo helicópteros do exército, bombardearam os veículos onde seguiam, a 250 quilómetros do Cairo, no deserto ocidental, popular entre os turistas.

Na quarta-feira, a ministra dos Negócios Estrangeiros do México, Claudia Ruiz Massieu, afirmou, em conferência de imprensa, que o Governo egípcio, responsável pela investigação, a tinha informado que "as autoridades administrativas e a agência de viagens deviam ter tido mais pormenores sobre as autorizações e que serão, por isso, potencialmente responsáveis".

De acordo com Ruiz Massieu, a "investigação está na fase final", segundo informou o Governo egípcio.

O Governo egípcio, que tinha disponibilizado pouca informação sobre o caso, afirmou que o exército tinha atingido o grupo "por engano", quando perseguia "terroristas", mas sublinhou que os turistas se encontravam numa "zona interdita".

O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Choukry, prometeu, em setembro, uma "investigação aprofundada e transparente", mas o procurador-geral proibiu os meios de comunicação de publicarem toda a informação sobre os acontecimentos ou a investigação.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.