Inventor dinamarquês torturou jornalista Kim Wall antes de a matar

Ministério Público dinamarquês considera que os atos de tortura e o homicídio da jornalista sueca foram premeditados, de acordo com os pormenores agora revelados da acusação

O inventor dinamarquês Peter Madsen atou e abusou da jornalista sueca Kim Wall antes de a assassinar a bordo do submarino que construiu, de acordo com a acusação do Ministério Público da Dinamarca, publicada na terça-feira.

Madsen planeou o homicídio de Wall, tendo utilizado uma serra e chaves de fendas que usou para bater à jornalista e cortá-la enquanto ela estava ainda viva, garantem os procuradores.

Wall, uma jornalista sueca freelancer de 30 anos, que estava a escrever um artigo sobre o empreendedor e engenheiro aeroespacial, desapareceu depois de Madsen a levar para o mar no submarino de 17 metros que construiu, em agosto do ano passado.

Ainda nesse mês, a polícia identificou como sendo de Kim Wall o torso que deu à costa numa praia a sul de Copenhaga.

A causa da morte da jornalista ainda não foi determinada, mas os procuradores admitem que tenha sido estrangulada ou decapitada.

Madsen admitiu tê-la desmembrado a bordo do submarino, largando depois as partes do corpo no mar, mas nega tê-la assassinado ou agredido sexualmente.

Segundo a acusação, Madsen está também acusado de colocar em perigo as vidas, mobilidade e saúde de desconhecidos na altura do homicídio, já que navegou nas rotas de um cruzeiro e de um navio de carga, além de ter deliberadamente afundado o submarino que construiu para encobrir o crime.

A 5 de outubro de 2017, as autoridades revelaram que tinham sido encontradas imagens, que presumiram serem reais, de uma mulher a ser estrangulada e decapitada no disco rígido do computador que estava no laboratório de Madsen. No mesmo mês, a polícia revelou ainda que os investigadores tinham verificado que a jornalista tinha 14 ferimentos resultantes de esfaqueamento na zona dos genitais.

Na semana passada, o inventor dinamarquês foi acusado do homicídio e desmembramento de Kim Wall, bem como de agressão sexual sem penetração e de natureza particularmente perigosa.

O Ministério Público pediu pena de prisão perpétua para Madsen, que na Dinamarca é normalmente uma pena de 15 anos sem liberdade condicional, e solicitou ainda que o inventor ficasse sob custódia das autoridades até dia 8 de março, data para a qual está previsto o início do julgamento.

Exclusivos