Líder da oposição do Zimbabué pede a Mugabe que resigne

Mugabe restá reunido com os enviados da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, enviados pelo presidente sul-africano

O presidente do Zimbabué está reunido na sede da Presidência, em Harare, com os enviados especiais da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), após a intervenção militar, disse hoje um porta-voz do Governo sul-africano.

Segundo Clayson Monyela, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, citado pela agência France-Presse, a missão da SADC engloba os ministros sul-africanos da Defesa e da Segurança Nacional, enviados pelo presidente Jacob Zuma, que preside atualmente à organização sub-regional da África Austral.

O encontro, insistiu Monyela, decorre na sede da Presidência zimbabueana, em Harare, confirmando as indicações avançadas por testemunhas à comunicação social local que davam conta de que uma caravana presidencial que, acompanhada por um helicóptero, estava a seguir com destino ao palácio presidencial.

Segundo fontes da televisão sul-africana SABC, a conversa entre Mugabe, que estava há mais de 24 horas sob prisão domiciliária, e os enviados especiais da SADC destina-se a encontrar uma solução para a crise político-militar que poderá por fim a 37 anos de regime.

Ao mesmo tempo, o líder da oposição zimbabueana, Morgan Tsvangirai, também presidente do Movimento para as Mudanças Democráticas (MMD), defendeu que Mugabe deve resignar à presidência do Zimbabué, cargo que ocupa desde que o país acedeu à independência, em 1980.

Num encontro com jornalistas, em Harare, Tsvangirai afirmou ser necessário negociar um "mecanismo transitório inclusivo!" para assegurar as funções governativas, bem como um conjunto de reformas antes da realização das eleições de 2018.

Depois, prosseguiu, deve ser criada uma plataforma pós-eleitoral para garantir a estabilidade no país e que, quer o bloco regional da SADC, quer a União Africana (UA), devem subscrever esse pacto.

Tsvangirai garantiu, por outro lado, não ter recebido qualquer contacto com vista a integrar um "mecanismo de transição" (governo), admitindo, porém, que se tal acontecer, o partido irá participar.

Entre 2009 e 2013, Morgan Tsvangirai copresidiu o Zimbabué com Mugabe, acabando por ser derrotado por margem mínima nas presidenciais desse ano.

Desde então, tem estado em tratamentos médicos para debelar um cancro.

Entretanto, em Londres, um analista ligado ao Programa África da Chatham House disse acreditar que as negociações em curso terão já permitido chegar à conclusão de que Mugabe terá de abandonar o poder.

Knox Chityiyo admitiu, porém, que há ainda "muita especulação", garantindo, por outro lado, que a igreja católica local está envolvida nas negociações entre Mugabe e os militares.

Para o analista da Chatham House, o objetivo das negociações é chegar a uma resolução pacífica da crise político-militar e abrir caminho a uma transição concertada.

Segundo Chitiyo, os militares já apresentaram a Mugabe uma proposta para uma "saída digna" do cargo. "Não sei para onde poderá ir, se tal acontecer, mas creio que o destino de Mugabe será determinado pelo seu estado de Saúde", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.