Zimbabué: Ex-vice-presidente Mnangagwa apela a Mugabe para se demitir

Robert Mugabe, o mais velho dirigente em exercício do mundo, rejeita deixar o cargo, apesar da pressão dos militares, do partido e do povo

O antigo vice-presidente do Zimbabué Emmerson Mnangagwa, destituído há duas semanas, apelou hoje ao Presidente, Robert Mugabe, para se demitir imediatamente de modo a "preservar o seu legado" e a permitir "ao país avançar".

Numa declaração enviada à imprensa, Emmerson Mnangagwa, cuja destituição desencadeou o golpe do exército contra o regime de Mugabe, também indicou que não irá regressar ao Zimbabué enquanto não tiver certeza que a sua segurança é garantida.

"Convido o Presidente Mugabe a levar em conta os apelos lançados pelo povo para a sua demissão de modo a que o país possa avançar e preservar o legado" do chefe de Estado, declarou Emmerson Mnangagwa, na mesma nota citada pelas agências internacionais.

O ex-vice-presidente do Zimbabué, no estrangeiro desde que foi destituído em 06 de novembro, confirmou que esteve em contacto com o Presidente Mugabe, conforme indicou na noite de segunda-feira o chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, o general Constantino Chiwenga.

"Posso confirmar que o Presidente (...) convidou-me a voltar ao país para discutir os desenvolvimentos políticos em curso na nação. Eu respondi-lhe que não regressarei enquanto não estiver satisfeito com as condições relativas à minha própria segurança", explicou.

O afastamento de Mnangagwa desencadeou um conjunto de reações em cadeia, culminando com a intervenção do exército que tomou o controlo do poder e impediu Mugabe, de 93 anos, de continuar a manobrar politicamente para que a mulher, Grace, o substituísse na presidência do país.

Grace Mugabe foi também expulsa, "para sempre", da União Nacional Africana do Zimbabué -- Frente Patriótica (ZANU-PF, no poder), juntamente com dois dos ministros mais próximos de Robert Mugabe, os da Educação Superior, Jonathan Moyo, e o das Finanças, Ignatius Chombo.

Robert Mugabe, o mais velho dirigente em exercício do mundo, rejeita deixar o cargo, apesar da pressão dos militares, do partido e do povo, com a capital, Harare, a ser palco no passado sábado de uma das maiores manifestações de sempre contra a sua permanência no poder.

Os deputados do partido no poder no Zimbabué avançam hoje no Parlamento com o processo que permitirá desencadear a destituição, em apenas dois dias, do Presidente Robert Mugabe.

Segundo fontes da ZANU-PF, a moção de destituição será apresentada nas duas câmaras do Parlamento, devendo, depois, ser criado uma comissão especial para que, na quarta-feira, apresente um relatório oficial para se avançar com a votação, sendo necessária uma maioria de dois terços para ser aprovada.

Segundo a Constituição zimbabueana, a Assembleia Nacional e o Senado podem depois aprovar, por uma maioria simples, o procedimento de destituição do Presidente.

Desconhece-se por quanto tempo irá prolongar-se o processo, bem como se Mugabe vai interpor recursos para evitar a destituição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.