Xi recebe Trump como um imperador. Hoje é dia de discutir a Coreia do Norte

Presidente americano é o primeiro líder estrangeiro a ter a honra de jantar na Cidade Proibida, em Pequim, desde 1949.

Esvaziada dos milhares de turistas que ali se costumam amontoar, a Cidade Proibida recebeu ontem Donald e Melania Trump para uma visita guiada por Xi Jinping e a pela mulher, Peng Liyuan. O presidente chinês preparou uma receção digna de um imperador para o homólogo americano na primeira visita deste a Pequim. Um dia de turismo presidencial que culminou num jantar dentro do palácio dos imperadores chineses - uma honra nunca antes dada a um líder estrangeiro desde a fundação da China moderna - antes de passarem às coisas sérias, numa série de encontros bilaterais em que a Coreia do Norte vai dominar a agenda. A par do comércio.

Na Coreia do Sul, antes de embarcar para Pequim, Trump deixou um apelo aos países da região para isolarem Pyongyang, negando-lhe "apoio, abastecimento ou aceitação". A China é dos poucos aliados da Coreia do Norte e seu principal parceiro comercial, apesar de nos últimos anos Pequim se ter mostrado por vezes crítica em relação aos ensaios nucleares de Pyongyang.

Depois de na terça-feira de manhã ter mostrado alguma abertura para um acordo diplomático caso a Coreia do Norte abandone o nuclear "de forma completa", ao final do dia (madrugada de ontem em Lisboa) Trump voltou à retórica bélica. "Não nos subestimem, nem nos desafiem", alertou. Ao que responsáveis norte-coreanos ouvidos pela CNN responderam: "Não queremos saber do que esse cão raivoso diz, já ouvimos o suficiente".

Washington tem pressionado Pequim para convencer o líder norte-coreano, Kim Jong-un, a abandonar o programa nuclear. E nesta viagem, Trump deve pedir a Xi para respeitar as resoluções da ONU e cortar financiamento a Pyongyang. Pequim garante que o Ocidente exagera o seu apoio à Coreia do Norte e já anunciou a intenção de cumprir as resoluções da ONU, investigando se houve alguma violação.

Outro assunto em cima da mesa será o comércio, com o secretário do Comércio americano, Wilbur Ross, a assinar contratos de nove mil milhões dólares numa cerimónia em Pequim em que participaram empresários americanos. Mas segundo a Bloomberg o objetivo da Casa Branca é bem mais ambicioso: garantir negócios no valor de 250 mil milhões de dólares na China.

Uma relação a quente e frio

Recebido com passadeira vermelha quando saiu do Air Force One em Pequim - em contraste com a visita do antecessor, Barack Obama, obrigado a sair pela porta na traseira do avião em 2016 - Trump retomou ontem o bromance (um romance entre irmãos) com o presidente Xi Jinping. Os dois encetaram as boas relações no passado mês de abril durante uma visita do líder chinês e da mulher ao resort do presidente, em Mar-a-Lago, na Florida.

"Acredito que esta visita vai conseguir resultados importantes e positivos, com esforços concertados de ambos os lados", afirmou ontem Xi Jinping, citado pela agência oficial chinesa, Xinhua. Reforçado na sua liderança durante o recente Congresso do Partido Comunista Chinês, que inscreveu a sua doutrina na sua constituição - uma honra só reservada a Mao Tse-tung. E a Deng Xiaoping, mas apenas após a sua morte - Xi fez as honras da casa, conduzindo Trump e Melania num passeio pela Cidade Proibida que incluiu tirarem fotos com atores de uma ópera chinesa a que assistiram e ver um vídeo de Arabella, uma das netas do presidente americano a cantar em mandarim - prestação que Xi disse merecer "nota máxima" -, enquanto tomavam chá. "Xi vai tratar Trump como um imperador", explicava à CNN Ming Wang, professor de governação na George Mason University, na Virgínia.

Antes ainda de chegar a Pequim, onde o esperavam vários jovens alunos chineses com bandeiras americanas e até, segundo a CNN, alguns gritos de "I love you!", Trump teceu elogios a Xi, destacando a sua "grande vitória política". Mas as palavras do milionário em relação à China nem sempre foram tão simpáticas. Em maio de 2016, seis meses antes de vencer as eleições americanas, Trump garantia: "Não podemos continuar a permitir que a China viole o nosso país e é isso que eles estão a fazer. É o maior roubo da história do mundo"

Desde que chegou à Casa Branca, Trump moderou a retórica e parece agora mais interessado em trabalhar com Pequim para travar as ambições norte-coreanas do que em acusar Pequim de manipulação cambial e em ameaçar tomar medidas contra o que dizia serem "práticas comerciais abusivas".

Depois da descontração, hoje é dia de discussões sérias, antes de Trump seguir para as duas últimas etapas da sua visita à Ásia: o Vietname e as Filipinas. Estas últimas recebem a Cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico, à margem da qual deverá encontrar-se com o presidente russo, Vladimir Putin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.