Xi Jinping nega "expansionismo" do país, mas reafirma direitos territoriais

Presidente chinês reuniu-se com o secretário da Defesa norte-americano em Pequim

A China não vai seguir "a via do expansionismo" mas não abandonará o seu território histórico, afirmou esta quarta-feira o Presidente chinês Xi Jinping ao secretário da Defesa norte-americano Jim Mattis, quando as duas potências vivem um ambiente de tensão.

"Não seguiremos a via do expansionismo nem do colonialismo", mas não "podemos abandonar nem um centímetro do território que nos deixaram os nossos antepassados", declarou Xi após um encontro em Pequim com o chefe do Pentágono, segundo a agência estatal Nova China (Xinhua).

Pequim reclama soberania sobre a quase totalidade do mar do Sul da China, tendo colocado instalações militares em algumas ilhas, o que choca com as pretensões rivais de outros países marítimos da região e alimenta a tensão com Washington, que considera as águas internacionais.

O Presidente chinês realçou que as questões que unem os dois países "superam em muito" as suas diferenças

Xi reuniu-se com Mattis no Grande Palácio do Povo, num cenário de agravamento das tensões militares e comerciais entre as duas potências.

O Presidente chinês realçou que as questões que unem os dois países "superam em muito" as suas diferenças, classificando a relação entre os Estados Unidos e China como uma das mais importantes do mundo, apelando as que se mantenha "o impulso positivo" na cooperação militar.

O responsável norte-americano, por seu lado, salientou a importância que os Estados Unidos atribuem à relação bilateral, segundo o Ministério da Defesa chinês, já que a embaixada norte-americana não forneceu informações sobre a reunião.

Mattis, que realiza um périplo asiático que inclui escalas na Coreia do Sul e Japão, também se encontrou com o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, naquela que é a primeira visita oficial a Pequim de um chefe do Pentágono desde 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?