O reencontro emocionado dos Wild Boars com o médico que esteve com eles na gruta

Pak Loharnshoon acompanhou os 12 meninos e o treinador durante os dias em que estes estiveram presos na gruta de Tham Luang, na Tailândia

O médico militar Pak Loharnshoon, que passou alguns dias com as 12 crianças e o treinador na caverna de Tham Luang, na Tailândia, onde estes ficaram presos durante 17 dias, visitou-os nesta segunda-feira no Hospital de Chiang Rai.

O reencontro foi emocionado e o profissional, que fazia parte da equipa de quatro militares tailandeses que se voluntariaram para ficar com os rapazes assim que estes foram descobertos, nove dias depois de terem sido dados como desaparecidos, partilhou o momento com os seguidores na sua página pessoal de Facebook.

Entre sorrisos e abraços, o médico referiu que sentia uma grande admiração pelos javalis.

"As qualidades que mais me impressionaram foram o otimismo e a elevada moral a lidar com a situação", escreveu na sua página de Facebook nesta segunda -feira.

"Todos os dias eles escavavam um buraco na parede, com fragmentos de rochas, para descobrir uma saída. Conseguiram escavar cinco metros, mesmo não tendo nada para comer."

Além disso, destaca a educação dos meninos. "Eles sempre guardavam o lixo depois de cada refeição. Tenho a certeza de que todos os rapazes vão crescer e ser ótimos cidadãos", solta.

Pak Loharnshoon teve ainda uma palavra para o treinador, a quem elogiou a racionalidade e que descreveu como "um mártir".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.