O reencontro emocionado dos Wild Boars com o médico que esteve com eles na gruta

Pak Loharnshoon acompanhou os 12 meninos e o treinador durante os dias em que estes estiveram presos na gruta de Tham Luang, na Tailândia

O médico militar Pak Loharnshoon, que passou alguns dias com as 12 crianças e o treinador na caverna de Tham Luang, na Tailândia, onde estes ficaram presos durante 17 dias, visitou-os nesta segunda-feira no Hospital de Chiang Rai.

O reencontro foi emocionado e o profissional, que fazia parte da equipa de quatro militares tailandeses que se voluntariaram para ficar com os rapazes assim que estes foram descobertos, nove dias depois de terem sido dados como desaparecidos, partilhou o momento com os seguidores na sua página pessoal de Facebook.

Entre sorrisos e abraços, o médico referiu que sentia uma grande admiração pelos javalis.

"As qualidades que mais me impressionaram foram o otimismo e a elevada moral a lidar com a situação", escreveu na sua página de Facebook nesta segunda -feira.

"Todos os dias eles escavavam um buraco na parede, com fragmentos de rochas, para descobrir uma saída. Conseguiram escavar cinco metros, mesmo não tendo nada para comer."

Além disso, destaca a educação dos meninos. "Eles sempre guardavam o lixo depois de cada refeição. Tenho a certeza de que todos os rapazes vão crescer e ser ótimos cidadãos", solta.

Pak Loharnshoon teve ainda uma palavra para o treinador, a quem elogiou a racionalidade e que descreveu como "um mártir".

Ler mais

Exclusivos