O reencontro emocionado dos Wild Boars com o médico que esteve com eles na gruta

Pak Loharnshoon acompanhou os 12 meninos e o treinador durante os dias em que estes estiveram presos na gruta de Tham Luang, na Tailândia

O médico militar Pak Loharnshoon, que passou alguns dias com as 12 crianças e o treinador na caverna de Tham Luang, na Tailândia, onde estes ficaram presos durante 17 dias, visitou-os nesta segunda-feira no Hospital de Chiang Rai.

O reencontro foi emocionado e o profissional, que fazia parte da equipa de quatro militares tailandeses que se voluntariaram para ficar com os rapazes assim que estes foram descobertos, nove dias depois de terem sido dados como desaparecidos, partilhou o momento com os seguidores na sua página pessoal de Facebook.

Entre sorrisos e abraços, o médico referiu que sentia uma grande admiração pelos javalis.

"As qualidades que mais me impressionaram foram o otimismo e a elevada moral a lidar com a situação", escreveu na sua página de Facebook nesta segunda -feira.

"Todos os dias eles escavavam um buraco na parede, com fragmentos de rochas, para descobrir uma saída. Conseguiram escavar cinco metros, mesmo não tendo nada para comer."

Além disso, destaca a educação dos meninos. "Eles sempre guardavam o lixo depois de cada refeição. Tenho a certeza de que todos os rapazes vão crescer e ser ótimos cidadãos", solta.

Pak Loharnshoon teve ainda uma palavra para o treinador, a quem elogiou a racionalidade e que descreveu como "um mártir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)