Wikileaks e filho de Donald Trump trocaram mensagens com pedidos de favores

Site de denúncias pediu ao filho do presidente dos Estados Unidos, através do Twitter, para sugerir o fundador do portal para o cargo de embaixador australiano em Washington, revelou revista The Atlantic

O Wikileaks e o filho do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., terão trocado mensagens privadas através do Twitter durante a campanha para as eleições presidenciais de 2016, para pedirem troca de favores. A revelação foi feita pela revista norte-americana The Atlantic , que citou documentação entregue pelos advogados de Trump Jr. a investigadores do Congresso que conduzem um inquérito às suspeitas de interferência da Rússia no processo.

O site de denúncias terá inclusivamente solicitado que o atual presidente dos EUA sugerisse à Austrália a nomeação do fundador do portal, Julian Assange, para o cargo de embaixador australiano em Washington.

"Em relação ao sr. Assange: Obama/Clinton colocaram pressão sobre a Suécia, o Reino Unido e a Austrália (o seu país natal) para perseguir ilegalmente o sr. Assange. Seria muito fácil e útil se o seu pai sugerisse à Austrália a nomeação de Assange como embaixador em Washington" foi uma mensagem reproduzida pela The Atlantic .

Julian Assange, recorde-se, é procurado na Suécia por suspeita de crimes de violação e nos Estados Unidos pela divulgação ilícita de documentos da diplomacia e das Forças Armadas, motivos que o levaram a exilar-se há cinco anos na embaixada do Equador em Londres, para evitar a extradição para a Suécia e EUA.

De acordo com a revista, nas mensagens é oferecido a Donald Trump Jr. a password de acesso a um site de um movimento anti-Trump que estaria prestes a ser lançado.

Pode ler todas as mensagens no The Atlantic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.