Wikileaks e filho de Donald Trump trocaram mensagens com pedidos de favores

Site de denúncias pediu ao filho do presidente dos Estados Unidos, através do Twitter, para sugerir o fundador do portal para o cargo de embaixador australiano em Washington, revelou revista The Atlantic

O Wikileaks e o filho do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., terão trocado mensagens privadas através do Twitter durante a campanha para as eleições presidenciais de 2016, para pedirem troca de favores. A revelação foi feita pela revista norte-americana The Atlantic , que citou documentação entregue pelos advogados de Trump Jr. a investigadores do Congresso que conduzem um inquérito às suspeitas de interferência da Rússia no processo.

O site de denúncias terá inclusivamente solicitado que o atual presidente dos EUA sugerisse à Austrália a nomeação do fundador do portal, Julian Assange, para o cargo de embaixador australiano em Washington.

"Em relação ao sr. Assange: Obama/Clinton colocaram pressão sobre a Suécia, o Reino Unido e a Austrália (o seu país natal) para perseguir ilegalmente o sr. Assange. Seria muito fácil e útil se o seu pai sugerisse à Austrália a nomeação de Assange como embaixador em Washington" foi uma mensagem reproduzida pela The Atlantic .

Julian Assange, recorde-se, é procurado na Suécia por suspeita de crimes de violação e nos Estados Unidos pela divulgação ilícita de documentos da diplomacia e das Forças Armadas, motivos que o levaram a exilar-se há cinco anos na embaixada do Equador em Londres, para evitar a extradição para a Suécia e EUA.

De acordo com a revista, nas mensagens é oferecido a Donald Trump Jr. a password de acesso a um site de um movimento anti-Trump que estaria prestes a ser lançado.

Pode ler todas as mensagens no The Atlantic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.