Wikileaks e filho de Donald Trump trocaram mensagens com pedidos de favores

Site de denúncias pediu ao filho do presidente dos Estados Unidos, através do Twitter, para sugerir o fundador do portal para o cargo de embaixador australiano em Washington, revelou revista The Atlantic

O Wikileaks e o filho do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., terão trocado mensagens privadas através do Twitter durante a campanha para as eleições presidenciais de 2016, para pedirem troca de favores. A revelação foi feita pela revista norte-americana The Atlantic , que citou documentação entregue pelos advogados de Trump Jr. a investigadores do Congresso que conduzem um inquérito às suspeitas de interferência da Rússia no processo.

O site de denúncias terá inclusivamente solicitado que o atual presidente dos EUA sugerisse à Austrália a nomeação do fundador do portal, Julian Assange, para o cargo de embaixador australiano em Washington.

"Em relação ao sr. Assange: Obama/Clinton colocaram pressão sobre a Suécia, o Reino Unido e a Austrália (o seu país natal) para perseguir ilegalmente o sr. Assange. Seria muito fácil e útil se o seu pai sugerisse à Austrália a nomeação de Assange como embaixador em Washington" foi uma mensagem reproduzida pela The Atlantic .

Julian Assange, recorde-se, é procurado na Suécia por suspeita de crimes de violação e nos Estados Unidos pela divulgação ilícita de documentos da diplomacia e das Forças Armadas, motivos que o levaram a exilar-se há cinco anos na embaixada do Equador em Londres, para evitar a extradição para a Suécia e EUA.

De acordo com a revista, nas mensagens é oferecido a Donald Trump Jr. a password de acesso a um site de um movimento anti-Trump que estaria prestes a ser lançado.

Pode ler todas as mensagens no The Atlantic.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.