Weinstein acusado de abusar de modelo polaca de 16 anos

Produtor cinematográfico já foi acusado de abuso sexual por mais de 70 mulheres, tendo o escândalo que o envolve dado origem ao movimento #Metoo.

Uma mulher polaca - cujo nome foi mantido em segredo - acusa o produtor de Hollywood Harvey Weinstein de abusos sexuais e assédio, num caso que remonta a 2002. De acordo com documentos do tribunal, citados pela BBC, a mulher, então menor de idade, com 16 anos, terá aceitado almoçar com Weinstein em Nova Iorque, na esperança de que este a ajudasse a lançar uma carreira de atriz, e que este a terá levado para o seu apartamento, onde"não perdeu tempo a exigir sexo de forma agressiva e ameaçadora".

"Ele disse-lhe que, se queria ser atriz, teria de se sentir confortável a fazer o quer que o seu realizador lhe pedisse, incluindo perder as inibições e despir-se", indicam os documentos. Os documentos não indicam que Weinstein terá obrigado a modelo a consumar o ato sexual, mas referem que esta terá sido obrigada a "tocá-lo". A mulher acusa ainda o produtor de a ter continuado a assediar durante quase uma década, tentando atraí-la com a promessa de ajudas profissionais como uma alegada figuração num filme de 2004 por ele produzido.

Benjamin Brafman, advogado de Weinstein, classificou todas as alegações de "absurdas", negando todos os factos. "Tal como muitas outras mulheres neste caso que já foram expostas como mentirosas, demonstraremos também que é notoriamente falsa esta mais recente e completamente infundada alegação que tem quase vinte anos", disse.

Harvey Weinstein, que está em liberdade condicional com uma caução de 850 mil euros, é acusado de abusos sexuais por mais de setenta mulheres e, aos 66 anos de idade, arrisca passar o resto da vida na prisão caso seja condenado.

O escândalo que o envolveu deu origem ao chamado movimento #Metto, em que dezenas de homens conhecidos, muitos deles do meio artístico, foram acusados por centenas de mulheres de condutas sexuais imprópria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".