Vulcão de Fuego na Guatemala expele cinzas a cinco mil metros de altura

O vulcão de Fuego da Guatemala, de 3.763 metros de altura, já registou dez erupções só este ano

O vulcão de Fuego da Guatemala, a cerca de 50 quilómetros da capital, aumentou na terça-feira a sua atividade com 12 explosões por hora, gerando uma coluna de cinza de 5 mil metros de altura acima do nível do mar.

Segundo um boletim especial emitido pelo Instituto Nacional de Sismologia, Vulcanologia, Meteorologia e Hidrologia (Insivumeh), as explosões, fracas, moderadas e fortes, espalham cinzas até cerca de 20 quilómetros de distância para leste e nordeste, de acordo com a direção do vento, as autoridades estão alerta para tomarem as precauções necessárias.

Devido à direção do vento e à intensidade das explosões, caíram partículas finas na cidade colonial La Antigua, em Alotenango, Villa Nueva e San Miguel Petapa.

Devido às alterações "no comportamento eruptivo do vulcão e à variação do vento não se descarta a possibilidade de esta atividade continuar e gerar a queda de cinzas a maior distância", alerta o Insivumeh.

O vulcão, de 3.763 metros de altura, está situado entre os departamentos de Escuintla, Chimaltenango e Sacatepéquez, e este ano já registou dez erupções.

Fuego e Santiaguito, junto a Pacaya, com 2.252 metros de altura e localizado no departamento de Escuintla, são os vulcões mais ativos dos 32 do país centro-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.