Voos cancelados e interrupções nos transportes devido à neve

Em algumas áreas rurais, a temperatura desceu esta madrugada a 10 graus abaixo de zero, o que provocou também cortes no abastecimento elétrico

Dezenas de voos foram cancelados hoje no aeroporto londrino de Heathrow por causa dos fortes nevões registados no Reino Unido, que provocaram interrupções nos transportes e o encerramento de escolas.

O aeroporto de Heathrow, no oeste de Londres, informou que cancelou dezenas de voos e que pediu aos passageiros que entrem em contacto com as suas companhias aéreas para se informarem sobre o estado dos seus voos.

Além disso, o aeroporto escocês de Edimburgo cancelou sete voos, tal como o de Manchester, no norte de Inglaterra, que suspendeu a descolagem 13 aviões.

Numerosas estradas estão encerradas desde domingo, especialmente no centro de Inglaterra e Gales, onde se registaram os maiores nevões, que em alguns locais atingiram 30 centímetros.

Em algumas áreas rurais, a temperatura desceu esta madrugada a 10 graus abaixo de zero, o que provocou também cortes no abastecimento elétrico em algumas zonas do centro de Inglaterra, no sul do País de Gales e também na Escócia.

Centenas de escolas em Inglaterra e Gales continuavam encerradas hoje, segundo a imprensa local.

O Serviço Meteorológico informou que a neve pode transformar-se em gelo no País de Gales, e no centro e sudeste de Inglaterra, pelo que pediu à população que tenha cuidado ao sair de casa.

O serviço de ajuda ao automobilista RAC antecipou que hoje pode haver até 11.000 avarias automóveis.

Alguns serviços de comboio, especialmente no leste e oeste de Inglaterra, foram afetados pela neve e esperam-se atrasos de comboios e cancelamentos, segundo a imprensa.

A estrada M1, uma das mais importantes do país, permaneceu no domingo encerrada numa seção do condado de Leicestershire, norte de Inglaterra.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.