Vladimir Putin irá como independente às presidenciais russas de 2018

Putin anunciou há uma semana a candidatura à reeleição. Presidenciais são em março do próximo ano

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou hoje que irá apresentar-se às eleições de março de 2018 como candidato independente, ao falar na tradicional conferência de imprensa anual no Kremlin.

"Irei como independente, mas confio no apoio das forças políticas, dos partidos e das organizações sociais que partilham a minha visão sobre o desenvolvimento do país", disse o chefe de Estado russo, que há uma semana tinha anunciado a candidatura à reeleição.

"E, em geral, espero contar com um amplo apoio popular", acrescentou, salientando que, se for reeleito, vai modernizar a economia russa, uma vez que defende uma Rússia "virada para o futuro", através de uma economia "mais flexível" e com uma "eficiência aumentada".

O Presidente russo, também líder do partido Rússia Unida, defendeu ainda uma maior aposta nos serviços de saúde e de educação, temas que estarão, disse, "no topo das prioridades".

No entanto, o chefe de Estado russo salientou que gostaria de ver maior competição política, o que permitiria "garantir maior equilíbrio" no sistema político nacional.

Segundo analistas políticos locais, Putin tem atualmente um índice de popularidade que ronda os 80%, pelo que deverá ser reeleito nas presidenciais de março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.