Kim Jong-un apelou na China a um reforço da "cooperação tática e estratégica"

É a primeira deslocação do líder da Coreia do Norte ao exterior, desde que ascendeu ao poder, em dezembro de 2011

A visita do líder norte-coreano, Kim Jong-un, a Pequim, antes de reunir com os presidentes sul-coreano e norte-americano, lembra que a China continua a desempenhar um papel central na desnuclearização da península, concordam analistas.

Tratou-se da primeira deslocação de Kim Jong-un ao exterior, desde que ascendeu ao poder, em dezembro de 2011, e antecede as cimeiras deste com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, no final de abril, e com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em maio.

A China é o mais importante aliado da Coreia do Norte, apesar do recente distanciamento entre os dois países, devido à insistência do regime norte-coreano em avançar com um programa nuclear.

Analistas consideram que Pyongyang não quer transmitir a mensagem de que a China foi posta de lado enquanto faz uma aproximação diplomática aos EUA e Coreia do Sul

Para além da afinidade ideológica, Pequim e Pyongyang combateram lado a lado na Guerra da Coreia (1950-53) e cerca de 90% do comércio externo da Coreia do Norte é feito com a China.

Analistas consideram que Pyongyang não quer transmitir a mensagem de que a China foi posta de lado enquanto faz uma aproximação diplomática aos EUA e Coreia do Sul.

Ao reforçar os laços com a China, a Coreia do Norte envia também uma mensagem a Washington e Seul de que tem outras opções caso o diálogo fracasse.

"É o mais apropriado que a minha primeira visita ao estrangeiro seja à capital da República Popular da China, como é também um dos meus deveres valorizar a amizade entre a China e a Coreia do Norte da mesma forma que valorizo a minha própria vida

A agência noticiosa oficial da Coreia do Norte KCNA disse que os dois lideres realizarem uma "profunda" troca de opiniões sobre as relações bilaterais e a segurança na península coreana.

A KCNA refere, sem avançar com mais detalhes, que Kim apelou a um reforço da "comunicação estratégica" e da "cooperação tática e estratégica", visando impulsionar a unidade e cooperação entre aliados tradicionais e elevar as relações ao próximo nível.

"É o mais apropriado que a minha primeira visita ao estrangeiro seja à capital da República Popular da China, como é também um dos meus deveres valorizar a amizade entre a China e a Coreia do Norte da mesma forma que valorizo a minha própria vida", afirmou Kim, durante um banquete oferecido pelo Presidente chinês, Xi Jinping, segundo a agência.

O líder norte-coreano foi acompanhado da sua mulher, Ri Sol Ju, e vários altos quadros de Pyongyang, incluindo o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ri Yong Ho, e altos funcionários do Partido dos Trabalhadores, Choe Ryong Hae, Ri Su Yong e Kim Yong Chol.

"O Norte obviamente acredita que manter a sua tradicional relação com a China permite-lhe ter maior influência sobre os Estados Unidos", diz Koh Yu-hwan, especialista em assuntos da Coreia do Norte, da universidade sul-coreana de Dongguk, citado pela agência Associated Press.

"Mesmo que o diálogo com Seul e Washington corra bem à Coreia do Norte, o país continuará a precisar da ajuda da China. E caso não funcione, a Coreia do Norte definitivamente precisará do apoio da China", acrescenta.

A visita de Kim ocorre também numa altura em que a economia norte-coreana é fortemente atingida pelas sanções impostas pelas Nações Unidas, devido ao programa nuclear e com mísseis balísticos empreendido por Pyongyang.

As provocações do regime levaram Pequim a distanciar-se e a aprovar aquelas sanções no Conselho de Segurança da ONU.

Pequim restringiu ainda o fornecimento de petróleo ao país vizinho, levando o regime a procurar agora uma solução diplomática.

A China não quer ter uma ameaça nuclear nas suas fronteiras, mas não deseja também o colapso de um regime que serve como um tampão entre a fronteira chinesa e a Coreia do Sul, país aliado dos Estados Unidos.

Caso o diálogo com a Coreia do Sul e os Estados Unidos fracasse, Pyongyang poderá voltar a exibir as suas capacidades nucleares.

Du Hyeogn Cha, pesquisador do Instituto de Estudos políticos de Asan, em Seul, considera que, naquele caso, a Coreia do Norte procurará que a China não se comprometa a reforçar ainda mais as sanções.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.