Um morto e 19 feridos em queda de avião na África do Sul

Um aparelho da Martin's Air Charter caiu perto do aeroporto de Pretória. Imagens mostram ao aparelho partido em várias zonas.

Os serviços de emergência sul-africanos anunciam a queda de um avião perto do aeroporto de Wonderboom, em Pretória, que terá causado pelo menos um morto. Balanço anterior falava em 19 feridos, um dos quais em estado crítico.

Apesar de nas mensagens nas redes sociais se falar em 20 feridos, o porta-voz dos serviços de socorro privados ER24, Russell Meiring, disse à agência AFP que os feridos são só 19. "Temos 19 feridos, alguns ligeiros e outros graves", indicou. Mais tarde, confirmaram um morto no Twitter.

Segundo o site sul-africano news24, que cita o serviço de ambulâncias Best Care, o piloto será um dos feridos em estado crítico. "O piloto ainda está preso no cockpit do avião e tem ferimentos graves. Ainda estamos a tratá-lo no local", indicou outro serviço de emergência Emer-g-med.

Os serviços de emergência dizem que está a ser difícil a chegada dos médicos ao local, porque o avião terá caído na estrada Moloto. Pelo menos dois helicópteros estão no local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.