Vídeo. Pedia donativos porque estava a morrer, mas era tudo uma burla

Paco Sanz burlou várias pessoas

Surgiu na Internet mais um vídeo de Paco Sanz, homem que pedia donativos para lutar contra uma suposta doença terminal. O homem afirmava ter Síndrome de Cowden e mais de 2000 tumores.

Pedia dinheiro para lutar contra a doença. Mas era tudo mentira e Paco foi preso, sem direito a fiança, a 9 de março, de acordo com a Cadena Ser. Foi detido, juntamente com os pais, devido ao embuste, por branqueamento de capitais, burla e apropriação indevida.

Isto tudo através da Associação Paco Sanz Para A Investigação do Síndrome de Cowden. Acabou por ser posto em liberdade mas está proibido de sair de Espanha.

As autoridades suspeitam que Paco Sanz exagerava o seu diagnóstico e utilizava o dinheiro dos donativos em carros e outros produtos de luxo, tecnologia ou viagens.

A noiva de Sanz também está a ser investigada, para se descobrir se lucrou da burla.

No vídeo abaixo, divulgado pelo El Pais, vê-se Paco Sanz a "gozar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?