Vídeo mostra o engenho explosivo ainda a arder

A explosão provocou 18 feridos com necessidade de assistência hospitalar, ainda assim nenhum apresenta uma situação clínica grave ou está em risco de vida

Uma mochila começou a arder, esta manhã, no interior de uma das composições do metro de Londres, tendo deflagrado um pequeno incêndio. Quando as portas abriram na estação de Parsons Green as pessoas atropelaram-se para sair por receio.

As imagens e o vídeo já disponíveis nas redes sociais mostram o que aparenta ser um saco de plástico a arder e um balde de plástico, além de uma mochila preta e uns fios.

A Polícia Metropolitana confirmou que a explosão e o incêndio foram provocados por um engenho explosivo artesanal. Segundo o The Guardian, que cita fontes policiais, o engenho não explodiu por completo.

Os serviços de ambulâncias de Londres informaram que a explosão provocou 18 feridos com necessidade de assistência hospitalar, ainda assim nenhum apresenta uma situação clínica grave ou está em risco de vida.

A Polícia Metropolitana confirmou que a unidade de contraterrorismo está a investigar o incidente, após este ter sido declarado como "incidente terrorista".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.