Denúncia de assédio sexual leva vice-primeiro-ministro à demissão

Barnaby Joyce anunciou que já informou o primeiro-ministro da sua decisão que será levada à prática na segunda-feira. Denúncia e o bebé que vai ter com a assessora de imprensa precipitaram a situação

O vice-primeiro-ministro australiano, Barnaby Joyce, anunciou hoje que se vai demitir na segunda-feira do cargo no executivo e na liderança do Partido Nacional, na sequência de uma denúncia por alegado assédio sexual.

"Já informei o primeiro-ministro em funções, Mathias Cormann, e também os meus colegas", disse Joyce, em conferência de imprensa.

O líder do Partido Nacional, formação conservadora com forte implantação em zonas rurais do país, afirmou que vai manter-se como deputado pelo círculo de New England.

A decisão foi anunciada depois de na quinta-feira o partido ter confirmado a receção de uma denúncia de alegado assédio sexual contra Joyce, que negou a acusação. A posição do vice-primeiro-ministro começou a ser questionada, no princípio do mês, quando foi divulgada uma ligação amorosa com uma ex-funcionária.

"Pedi, pelo direito da pessoa que apresentou esta denúncia e pelo meu direito a defender-me, que o caso seja enviada para a polícia", afirmou Joyce, que anunciou a renúncia após dias de pressão para apresentar a demissão.

Na semana passada, o primeiro-ministro australiano e líder do Partido Liberal, Malcom Turnbull, proibiu as relações sexuais entre ministros e funcionários, devido ao caso de Joyce.

Turnbull pediu a Joyce para tirar uma semana de férias para evitar que o "número dois" assumisse a chefia do Governo durante a viagem do primeiro-ministro aos Estados Unidos.

O escândalo rebentou quando, no início do mês, a imprensa australiana noticiou que Joyce, de 50 anos, esperava um bebé da ex-assessora de imprensa Viccki Campion, de 33 anos.

A relação provocou a separação de Joyce e Natalie Abberfield, que estiveram casados 24 anos e têm quatro filhas.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.