"Vice" de Alckmin aplaudiu tiros contra caravana de Lula

Ana Amélia, de 73 anos, é a escolhida do candidato do PSDB. Marina também já tem número dois. Bolsonaro e Ciro atrasam-se

Ana Amélia, senadora do PP de 73 anos, foi notícia pela terceira vez este ano: Geraldo Alckmin, candidato do PSDB escolheu-a para candidata a vice-presidente na coligação que lidera. Nas outras duas vezes em que chamou a atenção em 2018, associou a emissora de televisão Al Jazeera ao Estado Islâmico e aplaudiu os tiros disparados contra a caravana de Lula da Silva no sul do país, região de onde é natural.

O anúncio de Alckmin surge dias depois de o candidato ter fechado uma aliança com um grupo de seis partidos de centro e centro-direita movido mais por interesses comuns do que por proximidade ideológica, conhecido na gíria política brasileira como "Blocão" ou "Centrão". Entre essas forças está o PP, partido mais atingido pela Operação Lava-Jato, de onde saiu o nome de Ana Amélia, uma ex-jornalista nascida no Rio Grande do Sul, estado mais meridional do Brasil.

Com esse acordo, o "Blocão", cuja força ficou exposta quando retirou apoio a Dilma Rousseff em 2016 e precipitou a sua queda, garantiu desde logo cargos de relevo no primeiro, segundo e terceiro escalões da administração pública caso Alckmin seja eleito. O ex-governador de São Paulo, por sua vez, junta o tempo de antena a que cada um dos seis partidos do "Blocão" tem direito ao do PSDB e passa a superar, nesse particular, qualquer um dos concorrentes - terá 318 inserções de 30 segundos de propaganda nos 35 dias de campanha, mais do dobro do PT, por exemplo, e um espaço infinitamente maior do que os sete segundos de Jair Bolsonaro, do PSL.

Ana Amélia, crítica contumaz dos governos Lula e Dilma, trocou em abril acusações com Gleisi Hoffmann pelo facto da presidente do PT ter dado entrevista à estação Al Jazeera pedindo a liberdade do antigo presidente. "Espero que não esteja a convocar o Estado Islâmico a atuar no Brasil", disse a senadora, motivando críticas em peso da comunidade árabe brasileira por colocar no mesmo saco a televisão do Qatar e a organização fundamentalista.

Depois, elogiou as cidades do seu estado que "botaram para correr" a caravana promovida por Lula. Como algumas dessas cidades recorreram a tiros, Ana Amélia justificou a frase com o calor do momento.

"O vice não é mais uma figura decorativa", disse a propósito do anúncio a própria senadora. O atual presidente da República Michel Temer, recorde-se, concorreu como "vice" de Dilma. José Sarney e Itamar Franco, no passado, também exerceram a função de chefe de estado mesmo tendo concorrido para número dois.

Também Marina Silva apresentou ontem o seu candidato a vice-presidente: será Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV). Com a aliança ao PV, a que Marina pertenceu antes de romper e formar o Rede Sustentabilidade, seu atual partido, a candidata passará a dispor de 26 segundos a cada bloco de propaganda política. Além disso, será necessariamente convidada para debates na TV - para ser convidado o candidato deve pertencer a um partido ou coligação com cinco ou mais parlamentares e o Rede só tinha três.

"O movimento contra os partidos ideológicos pequenos é muito contundente, como temos proximidade programática, decidimos apoiar a Marina com o Eduardo como vice", justificou José Luiz Penna, presidente do PV.

Na quarta-feira à noite fora a vez de Álvaro Dias (Podemos) anunciar como seu vice-presidente o economista Rabello de Castro, que era, até então, candidato à presidência pelo PSC.

Entre os outros candidatos competitivos à eleição, Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT) são os mais atrasados na escolha de "vice". Sem conseguirem assinar coligações - Bolsonaro tentou acordo com integrantes do "Blocão" sem sucesso e Ciro viu o desejado PSB juntar-se ao PT - devem optar pela "chapa pura", isto é, por escolher membros dos seus partidos. Isso trará consequências no tempo eleitoral dos dois concorrentes, escassíssimo no caso de Bolsonaro e escasso no caso de Ciro.

Henrique Meirelles, que foi ontem nomeado em convenção o candidato do governista MDB com 85% dos votos, e o PT também devem optar por "chapas puras". Mas no caso dos dois grandes partidos o tempo de antena de ambos já é generoso. Meirelles convidou a senadora Marta Suplicy e os "petistas" devem apresentar Lula, para presidente, e Fernando Haddad, para "vice". Em caso de inelegibilidade do antigo presidente a dupla composta pelo ex-prefeito de São Paulo e pela atual candidato pelo PCdoB Manuela D"Ávila.

Ainda à esquerda, o PSOL foi o primeiro a anunciar o líder do Movimento dos Trabalhaodres Sem Teto Guilherme Boulos e a líder indígena Sônia Guajajara como candidatos, respetivamente, a presidente e "vice".

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.