Veterano de guerra de 88 anos usa karate para salvar mulher

Homem interrompeu um assalto que estava a ser feito por cinco pessoas armadas com facas. Acabou por ser levado ao hospital com feridas "superficiais"

Um veterano de guerra de 88 anos salvou uma mulher de ser assaltada por cinco pessoas com facas, aplicando um golpe de karate numa delas. Os assaltantes acabaram por deixar o local e a mulher fugiu aos gritos. "Medo não está no meu dicionário", disse o herói da história que aconteceu em Londres, John Nixon.

Depois de ver os assaltantes, que eram jovens, a agarrar as malas e as roupas de uma mulher, John Nixon resolveu intervir. "O meu pensamento inicial foi distrair a atenção deles da rapariga, que estava aos gritos. Gritei 'deixem-na em paz'", afirmou o homem ao Evening Standard.

"Mas eles viraram-se contra mim e disseram 'vamos levar o teu dinheiro', ao que eu respondi 'não, não vão'. Os miúdos desta idade não estão à espera de surpresas", acrescentou John Nixon, que saiu ferido da situação, com cortes na mão e na cabeça. Acabou por ser levado ao hospital quando um vizinho o viu.

John Nixon recebeu treino nos comandos, fez parte de uma elite especial e combateu na Guerra da Coreia. Depois de várias missões por todo o mundo deixou o exército e foi para a Nigéria como guarda-costas dos Médicos Sem Fronteiras.

"O meu treino acordou e dei um golpe no pescoço de um deles, que ficou semiconsciente. Outro puxou de uma faca e então tive de lidar com ele também. Tentei desarmá-lo mas acabei com golpes em todo o lado. Havia muito sangue. Ele não era treinado e era uma faca pequena, felizmente as feridas foram apenas superficiais", acrescentou.

O homem de 88 anos diz que já esteve perto da morte "várias vezes" e que isso não o incomda. "A mulher fugiu a correr, mas espero que esteja bem", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Henrique Burnay

DN+ A falta que o Reino Unido fará

Para quem quer uma Europa mais integrada (federalista, dir-se-ia há uns anos), o Reino Unido não faz, nem nunca fez, grande falta e, no fundo do seu coração, ainda bem que os britânicos se vão embora. Agora é que vai ser, acham. O problema desta visão é isso tudo. E é que ela não é única na Europa, embora com frequência ache que é a única genuína e legitimamente europeia. E sem os britânicos pode não ter oposição. Ou só ter a dos radicais, à esquerda e à direita.