Vestígio de ADN de lusodescente encontrado na casa do alegado homicida

Na próxima segunda-feira, Nordahl Lelandais será presente a um juiz de instrução

A investigação ao homicídio da criança lusodescendente Maëlys de Araújo, em agosto passado no leste de França, encontrou um vestígio de ADN da menina de nove anos na casa do autor confesso do crime, Nordahl Lelandais.

De acordo com o jornal Le Parisien, as autoridades recolheram mais uma prova da presença de Maëlys na residência da família de Lelandais, em Domessin, a pouco mais de 70 quilómetros de Lyon.

Os investigadores analisaram a casa familiar do ex-militar, de 34 anos, incidindo atenção especial no sofá da sala e na garagem, usada para depósito de materiais.

A prova de ADN encontrada permitirá perceber com mais rigor as circunstâncias da morte da lusodescendente.

Na próxima segunda-feira, Nordahl Lelandais, que, em 14 de fevereiro, confessou ter morto a criança "involuntariamente", será presente a um juiz de instrução do tribunal de Grenoble.

Maëlys desapareceu a 27 de agosto do ano passado em Pont-de-Beauvoisin, no leste de França.

Lelandais foi detido em 31 de agosto e foi formalmente acusado do homicídio da lusodescendente.

Mais tarde, indicou à polícia o local onde enterrou os restos mortais da criança, tendo sido encontrado "quase todo o esqueleto", segundo o procurador de Grenoble, Jean-Yves Coquillard.

Nordahl Lelandais, cujo perfil psicológico continua a confundir os investigadores, é o principal suspeito de um outro homicídio, o do cabo Arthur Noyer, ocorrido em abril passado naquela mesma região, em Chambéry.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.