Verhofstadt anuncia candidatura a presidente do Parlamento Europeu

Ex-primeiro-ministro da Bélgica e líder da Aliança dos Democratas e dos Liberais para a Europa quer suceder a Martin Schulz.

Guy Verhofstadt, que foi primeiro-ministro da Bélgica entre 1999 e 2008, anunciou hoje oficialmente que é candidato à presidência do Parlamento Europeu. Eurodeputado desde 2009, o líder da Aliança dos Democratas e dos Liberais para a Europa quer suceder ao social-democrata Martin Schulz, que deixa o Parlametno Europeu para se dedicar à política interna alemã.

"Quero dedicar toda a minha paixão e todas as minhas capacidades à Europa e ao seu Parlamento", disse Verhofstadt num vídeo divulgado nas redes sociais. "É tempo de mudança, é tempo para uma grande coligação que reúna todas as forças pró-europeias para defender, acima de tudo, os interesses dos cidadãos europeus", indicou.

"Nestes tempos inseguros e turbulentos, quando a Europa é ameaçada pelos nacionalistas e populistas de todos os tipos, precisamos de visionários, de construir pontes e facilitadores de entendimentos. E eu quero ser um deles", afirma o belga no vídeo.

A eleição do próximo presidente do Parlamento Europeu decorre na próxima sessão plenária em Estrasburgo, de 16 a 19 de janeiro. Além de Verhofstadt, estão na corrida o italiano Antonio Tajani (ex-comissário europeu e ex-porta-voz de Silvio Berlusconi, que é candidato pelo Partido Popular Europeu), o italiano Gianni Pittella (ex-vice-presidente do Parlamento Europeu e candidato dos Socialistas & Democratas), a holandesa Helga Stevens (candidata do grupo Conservadores e Reformistas) e a britânica Jean Lambert (vice-presidente do Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.