Vereadora Marielle Franco e motorista assassinados no Rio de Janeiro

Marielle Franco, eleita pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), e o motorista foram assassinados na quarta-feira no Rio de Janeiro.

A vereadora Marielle Franco e o motorista foram assassinados na quarta-feira na região central do Rio de Janeiro, no Brasil, informa o portal de notícias da Globo.Segundo o G1, Marielle Franco, de 38 anos, que foi a quinta vereadora mais votada no Rio de Janeiro nas eleições de 2016, "foi morta a tiros dentro de um carro" conduzido por Anderson Pedro Gomes, que também foi baleado e morreu.

Uma assessora da vereadora, eleita pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), foi atingida por estilhaços e transportada para o hospital.

A autarca tinha participado no início da noite num evento denominado "Jovens Negras Movendo as Estruturas".

Investigadores da Delegacia de Homicídios anunciaram que "a principal linha de investigação é a execução".

Segundo as primeiras informações da Polícia Militar, o carro onde se deslocavam os criminosos colocou-se ao lado do veículo onde estava a vereadora e dispararam, tendo esta sido atingida por quatro tiros na cabeça.

"A perícia encontrou, pelo menos, nove cápsulas de tiros no local. Os criminosos fugiram sem levar nada", adianta o portal.

O secretário de Estado de Segurança, Richard Nunes, disse ter determinado uma ampla investigação e que acompanha a situação com o chefe da Polícia Civil, Rivaldo Barbosa.

Já o deputado estadual do PSOL Marcelo Freixo considerou o crime "inadmissível", observando que as "características são muito nítidas de execução".

O portal de notícias acrescenta que um dia antes de ser assassinada, Marielle Franco questionou a violência na cidade e a ação da Polícia Militar (PM).

"Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?", perguntou a vereadora na rede social Twitter na quarta-feira.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, lamentou o "brutal assassinato" e "lembrou a "honradez, bravura e espírito público" da vereadora, numa nota publicada no sítio na Internet da Prefeitura.

Marielle Franco, 39 anos, cresceu na favela de Maré, estudou sociologia na PUC-Rio e fez um mestrado em Administração Pública, como se lê no seu site. Foi eleita vereadora da câmara do Rio de Janeiro pelo PSOL com 46 502 votos. Era também presidente da comissão da mulher da câmara.

"Iniciei minha militância em direitos humanos após ingressar no pré-vestibular comunitário e perder uma amiga, vítima de bala perdida, num tiroteio entre policiais e traficantes no Complexo da Maré. Aos 19 anos, me tornei mãe de uma menina. Isso me ajudou a me constituir como lutadora pelos direitos das mulheres e debater esse tema nas favelas", escreveu nessa breve apresentação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.