Vice-presidente dos EUA diz que crianças estão a morrer à fome

O vice-Presidente dos Estados Unidos afirmou, na quarta-feira, no Chile que as crianças venezuelanas estão a morrer à fome e que a Venezuela está à beira de se tornar uma ditadura.

"As crianças venezuelanas estão a morrer de fome. A Venezuela está a tornar-se uma ditadura (...) e, como disse o Presidente [dos Estados Unidos, Donald] Trump, os Estados Unidos não ficarão de braços cruzados", sublinhou Mike Pence.

Pence falava num encontro empresarial organizado pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos e pela Câmara de Comércio Chilena-Norte-americana.

O vice-Presidente norte-americano chegou na quarta-feira ao Chile para uma visita oficial depois de ter estado na Colômbia e na Argentina. Após o encontro com empresários chilenos, Pence viajou para o Panamá.

"O povo venezuelano está sofrer e a morrer. Vi-o na Colômbia. Reuni-me com refugiados que estão a viver na Colômbia", acrescentou.

Pence reiterou as críticas ao Governo da Venezuela, depois de o ter feito num encontro com a Presidente chilena, Michelle Bachelet, na sede do Governo.

O vice-Presidente assegurou que Washington usará toda a sua força diplomática e económica para restaurar a democracia na Venezuela.

"Trabalharemos com os países aliados em toda a América Latina para conseguir uma solução pacífica", disse.

Mike Pence considerou que a Venezuela está tornar-se uma ditadura, situação perante a qual Washington "não permanecerá como observador".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.