Trump ameaça militares da Venezuela se não se juntarem a Guaidó

"Não vão ter locais para se refugiarem. Não vão ter saída possível. Vão perder tudo" se continuarem do lado de Maduro, afirmou o presidente norte-americano.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, apelou esta segunda-feira aos chefes militares venezuelanos para se juntarem ao opositor e presidente autoproclamado Juan Guaidó e deixarem entrar a ajuda humanitária no país, sem o que se arriscam a várias perdas

"Os olhos do mundo inteiro estão focados em vocês", disse Trump.

"Vocês podem escolher aceitar a oferta generosa de amnistia do presidente Guaidó e viverem em paz com os vossos (...). Senão, podem escolher a segunda via: continuar a apoiar Maduro [Presidente da Venezuela]. Neste caso, não vão ter locais para se refugiarem. Não vão ter saída possível. Vão perder tudo", enfatizou Donald Trump, que discursava em Miami.

Durante a sua intervenção, Trump disse que "está a chegar um novo dia para a América Latina", ao procurar congregar apoio entre a maior comunidade venezuelana nos EUA para o líder oposicionista Juan Guaidó.

Ao falar na Universidade Internacional da Florida, em Miami, frente a bandeiras dos EUA e da Venezuela, Donald Trump afirmou que os norte-americanos apoiam Guaidó e condenou o Governo do Presidente Nicolas Maduro.

Depois de instar os militares a apoiarem Guaidó, Trump avançou que pretende "uma transição pacífica", mas, acentuou, "todas as opções estão em aberto".

Antes, a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, dissera que os dirigentes norte-americanos "sabiam onde os oficiais militares [da Venezuela] e as suas famílias tinham dinheiro escondido no mundo".

O sul do Estado da Florida acolhe mais de cem mil venezuelanos e venezuelanos-norte-americanos, naquela que é a maior concentração desta comunidade nos EUA.

No seu discurso neste importante Estado, em termos de eleições presidenciais, Trump procurou contrastar as suas políticas com as dos democratas progressistas, que classificou de "socialistas".

"O socialismo devastou tanto" a Venezuela "que até as maiores reservas de petróleo do mundo foram insuficientes para manter as luzes ligadas", referiu.

"O socialismo está a morrer e a liberdade, a prosperidade e a democracia estão a renascer" no hemisfério, declarou Trump, que disse esperar que em breve "este se torne o primeiro hemisfério livre em toda a história humana".

A presidente do Partido Democrata na Florida, Terrie Rizzo, criticou Trump, por ter "duas caras em relação à Venezuela", justificando que "fala sobre combater o regime de Maduro, mas continua a deportar e deter venezuelanos que fogem da repressão do regime de Maduro".

Trump tem estado a passar o fim de semana prolongado, devido a um feriado federal, no seu clube privado, em Palm Beach, na Florida.

Na sexta-feira, dia 15, declarou o estado de emergência nacional para conseguir financiar a construção do muro na fronteira mexicana.g

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?