Três mortos, 22 feridos e mais de cem detidos desde segunda-feira

Pelo menos 41 pessoas já morreram desde o início da crise, dizem dados oficiais

Três pessoas morreram, pelo menos 22 ficaram feridas e mais de uma centena foram detidas pelas autoridades desde segunda-feira em várias localidades da Venezuela, no âmbito de protestos contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.

Em Barinas, terra natal do falecido líder socialista Hugo Chávez, que presidiu a Venezuela entre 1999 e 2013, um jovem de 17 anos morreu esta terça-feira, depois de ter sido ferido a tiro no olho direito na segunda-feira.

O protesto teve lugar em Pedraza, onde um grupo de populares decidiu manifestar-se incendiando pneus e bloqueando várias ruas, até que foram reprimidos por oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar).

Em Táchira (830 quilómetros a sudoeste de Caracas), duas pessoas morreram e outras três ficaram gravemente feridas, depois de resistirem durante várias horas à repressão da GNB.

As vítimas foram um jovem de 18 anos e um homem de 32 anos.

Vídeos divulgados pelo Twitter dão conta de que as forças de segurança usaram tanquetas, escudos e gás lacrimogéneo para reprimir os opositores e também que os manifestantes conseguiram rodear a polícia.

Fontes não oficiais dão conta de que pelo menos 22 pessoas ficaram feridas, duas por tiros de arma de fogo e 20 por tiros de borracha.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se desde 1 de abril último, depois de o Supremo Tribunal de Justiça (STJ), divulgar duas sentenças que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assumia as funções do parlamento.

Entre queixas sobre o aumento da repressão, os opositores manifestam-se ainda contra a convocatória a uma Assembleia Constituinte, feita a 1 de maio último pelo Presidente Nicolás Maduro.

Dados oficiais dão conta de que pelo menos 41 pessoas já morreram desde o início da crise.

No entanto, segundo o Observatório Venezuelano de Conflituosidade Social, entre 01 de abril e 07 de maio, pelo menos 44 pessoas morreram nos protestos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.