Secretário de Estado diz que poderá ocorrer "fluxo adicional" no regresso de emigrantes

É esperado um regresso de emigrantes à Madeira após o término do ano letivo na Venezuela

O secretário de Estado das Comunidades admitiu esta quarta-feira, no Funchal, que poderá ocorrer um "fluxo adicional" no regresso de emigrantes ao país e, sobretudo, à Região Autónoma da Madeira quando terminar o ano letivo na Venezuela.

"O que já fizemos foi identificar canais de contacto, nomeadamente na Secretaria de Estado do Ensino Superior e na Secretaria de Estado da Educação, para que as autoridades regionais possam proceder a uma avaliação e depois ao reconhecimento das competências escolares dos alunos que queiram ingressar no sistema de ensino português", disse José Luís Carneiro.

O governante esteve reunido durante toda a manhã com elementos do executivo regional para analisar a situação dos emigrantes na Venezuela, entre os quais os secretários dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, que tutela as comunidades, da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, e das Finanças, Rui Gonçalves.

Este último revelou aos jornalistas que a região autónoma necessita de "vários milhões de euros" para garantir o apoio aos emigrantes, sendo que as estimativas apontam já para o regresso de 3.000 a 4.000 em apenas um ano, entre emigrantes de primeira geração, lusodescendentes e cônjuges.

"O mais importante agora não é falar dos recursos financeiros", afirmou, porém, José Luís Carneiro, realçando que a prioridade é "falar das necessidades e do modo como corresponderemos às necessidades destes cidadãos".

O secretário de Estado vincou que há que "diagnosticar bem as necessidades" e "identificar o acréscimo de custos" que resulta do fluxo no regresso dos emigrantes, que está a ser motivado pelo caos social e económico em que mergulhou o país governando por Nicolás Maduro, onde ocorre desde o início de abril uma vaga de protestos contínuos e violentos durante os quais já morreram 93 pessoas.

José Luís Carneiro disse ainda que todas as estimativas carecem de um "trabalho aprofundado" entre o Governo da República e o Governo Regional.

As autoridades madeirenses registaram já a inscrição de 1.000 emigrantes regressados da Venezuela no Instituto de Emprego da região autónoma e 585 nos centros de saúde.

Por outro lado, 100 processos deram entrada no Instituto de Habitação da Madeira e 197 alunos matricularam-se em 2016/2017.

Os serviços de Segurança Social prestam já apoio a 173 agregados familiares oriundos da Venezuela, num total de 476 pessoas.

O secretário de Estado das Comunidades realçou, entretanto, que as questões que merecem mais atenção prendem-se com o ensino da língua portuguesa, as condições de habitabilidade, o acesso à saúde e a regularização de documentos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.