Salário mínimo na Venezuela aumenta 40%

Desta forma, o salário integral (incluindo subsidios) passa para os 60,65 euros, à taxa oficial

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou este domingo um novo aumento, o segundo em menos de 60 dias, de 40% do salário mínimo e das pensões dos venezuelanos, a partir de 01 de janeiro de 2018.

"Anuncio o aumento de 40% do salário mínimo nacional e de todas as tabelas salariais a nível nacional, de professores, militares, polícias, médicos, trabalhadores públicos", declarou.

O anúncio foi feito numa transmissão pela televisão estatal venezuelana desde o palácio presidencial de Miraflores, durante a qual precisou que o subsídio de alimentação passa de 30 para o equivalente a 60 unidades tributárias.

O aumento decretado eleva o salário mínimo dos venezuelanos de 177.507 para 248.510 bolívares (de 13,50 para 19,00 euros à taxa oficial Dicom).

Por outro lado, o subsídio de alimentação passa de 279.000 bolívares para 549.000 bolívares, para um salário integral total (incluindo os subsídios) de 797.510 (60,65 euros).

Os reformados, além das pensões, vão beneficiar ainda de um "bónus de guerra económica" pelo valor de 99.404 bolívares (7,56 euros), recebendo em total 347.914 bolívares mensais (26,46 euros).

Nos últimos 12 meses o Presidente da Venezuela aumentou seis vezes o salário mínimo dos venezuelanos, a primeira das quais em janeiro (50%), seguindo-se maio (60%), julho (50%), setembro (40%) e a 01 de novembro (30%).

O aumento do salário tem lugar depois de protestos em várias cidades do país pelos altos preços dos produtos e pela falta de produtos que seriam vendidos à população a preços subsidiados pelo Estado.

Entre outubro e dezembro de 2017 triplicaram os preços de venda dos produtos. Segundo a imprensa local a inflação não oficial de 2017 é superior a 2.000%, num país onde escasseiam os bens essenciais e a qualidade dos serviços degradou-se nos últimos tempos.

Na Venezuela, meio quilograma de massa custa à volta de 96.000 bolívares (7,30 euros), um quilograma de açúcar 130.000 bs (9,88 euros), um quilograma de queijo amarelo 600.000 bs (45,63 euros) e um pão 16.000 bs (1,21 euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.