Quatro milhões de venezuelanos poderão deixar o país até final do ano

Segundo o diretor do CEJIL, três milhões de venezuelanos terão deixado o país

O êxodo de venezuelanos para países da América pode atingir as quatro milhões de pessoas no final deste ano, segundo o Programa para a Região Andina, América do Norte e Caraíbas do Centro para a Justiça e Direito Internacional (CEJIL).

As estimativas foram divulgadas pelo diretor do CEJIL, Francisco Quintana, em Lima, no Peru, numa conferência internacional sobre tráfico de pessoas e outras formas de escravatura na América Latina.

Segundo Francisco Quintana, até à data de hoje, três milhões de venezuelanos terão deixado o país, dos quais quase dois milhões estão na Colômbia, 430 mil no Peru, quase 500 mil no Equador, 120 mil na Argentina e 30 mil na República Dominicana.

"Estimamos que, este ano, 12% da população da Venezuela poderá estar fora do país. Com as medidas [económicas, recentes] que tomou o Presidente, Nicolás Maduro, acreditamos que o fluxo de de imigrantes vai continuar a um ritmo que não vimos até agora", sublinhou.

Os números do CEJIL, programa que reúne mais de 60 organizações da sociedade civil, são superiores aos das Nações Unidas, que dão conta que 2,3 milhões de venezuelanos vivem atualmente no estrangeiro.

Segundo Francisco Quintana, "no último ano 1,5 milhões de pessoas saíram da Venezuela", um fenómeno que "não tem precedentes em qualquer parte do mundo".

"Na Síria, saíram seis milhões de pessoas deixaram o país, num período entre quatro e cinco anos e em Myanmar [antiga Birmânia], um milhão de rohingya abandonaram o país, mas em quase dez anos", declarou.

O diretor do CEJIL questiona os dados oficiais sobre a entrada de venezuelanos no Brasil que, "desde há três meses", são de 70.000 pessoas.

Por outro lado, instou os Estados e organismos internacionais a reconhecerem que começaram a atuar de maneira tardia e fez um apelo para que seja implementada uma coordenação regional para responder à migração venezuelana.

"Não podemos esperar que os organismos e os Estados cheguem a um acordo. Isto é urgente. Há pessoas a morrer, pessoas com fome, há necessidade de ajuda humanitária e queremos dar respostas", frisou.

Nesse sentido, apontou a necessidade de melhorar os canais de cooperação económica com os países que reúnem mais migrantes venezuelanos e a reconhecer a proteção internacional que estes merecem.

"Esse é um dos maiores desafios. O Peru, a Argentina, o Chile e a Colômbia não querem reconhecer a condição de refugiados (...). Se houvesse vontade política de todos os governos, de ativar essa proteção internacional, isso viria acompanhado de um conjunto de garantias", observou.

Este responsável pediu, ainda, a eliminação das medidas de encerramento de fronteiras para os venezuelanos que não têm passaporte, porque "fomentam a emigração irregular e deixam as pessoas em situação de vulnerabilidade extrema".

Francisco Quintana acredita que essa vulnerabilidade poderá levar a um recrutamento forçado de cidadãos por guerrilhas ou que se juntem a organizações criminosas de tráfico de pessoas para exploração laboral ou sexual.

"As Américas devem aproveitar a possibilidade que a migração venezuelana oferece para se posicionarem como líderes na proteção de refugiados e converterem-se num exemplo de boas práticas para a Europa", onde há "restrições brutais para as pessoas que cruzam o Mediterrâneo", defendeu

O CEJIL prevê realizar, nos dias 18 e 19, uma reunião em Washington, nos Estados Unidos da América, para coordenar com vários Estados e organizações, ações para combater a xenofobia contra venezuelanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.