Venezuela: Presidente argentino viaja com urgência para o Uruguai

Uruguai tem-se mantido neutro. Mariricio Macri que lidera a oposição a Maduro na região vai a Montevideu tentar convencer o homólogo.

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, líder da oposição ao regime de Nicolás Maduro na região, viaja na quarta-feira para o Uruguai para discutir a posição neutral do presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, em relação à Venezuela.

De acordo com a presidência Uruguaia, a reunião foi pedida de forma repentina e urgente por Mauricio Macri e atendida imediatamente por Tabaré Vázquez e terá a crise na Venezuela como assunto principal.

Mauricio Macri, na Presidência rotativa do Mercosul (Mercado Comum do Sul), formado ainda pelo Brasil, Uruguai e Paraguai, quer resolver as diferenças no bloco, sustentando que a existência de um membro "neutro" possa significar, na prática, que há por parte de um país um apoio ao regime de Maduro.

A Venezuela foi suspensa em 2017 do Mercosul. Na altura, os ministros dos Negócios Estrangeiros do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai decidiram suspender politicamente a Venezuela do Mercosul "por rutura da ordem democrática" no país.

Todos os outros países do Mercosul já reconheceram o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Em 2016, o presidente argentino criticou o governo de Maduro devido à alegada violação sistemática dos Direitos Humanos com presos políticos, ferindo a Cláusula Democrática do Mercosul.

Esta critica foi seguida pelos demais membros do bloco, apesar da também inicial resistência uruguaia.

No dia 7, o Uruguai foi o anfitrião da primeira reunião do Grupo de Contacto Internacional (GCI) em Montevidéu que terminou com uma declaração a favor de eleições livres, justas e transparentes na Venezuela, mas sem o aval de Bolívia e México.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.