Venezuela: Presidente argentino viaja com urgência para o Uruguai

Uruguai tem-se mantido neutro. Mariricio Macri que lidera a oposição a Maduro na região vai a Montevideu tentar convencer o homólogo.

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, líder da oposição ao regime de Nicolás Maduro na região, viaja na quarta-feira para o Uruguai para discutir a posição neutral do presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, em relação à Venezuela.

De acordo com a presidência Uruguaia, a reunião foi pedida de forma repentina e urgente por Mauricio Macri e atendida imediatamente por Tabaré Vázquez e terá a crise na Venezuela como assunto principal.

Mauricio Macri, na Presidência rotativa do Mercosul (Mercado Comum do Sul), formado ainda pelo Brasil, Uruguai e Paraguai, quer resolver as diferenças no bloco, sustentando que a existência de um membro "neutro" possa significar, na prática, que há por parte de um país um apoio ao regime de Maduro.

A Venezuela foi suspensa em 2017 do Mercosul. Na altura, os ministros dos Negócios Estrangeiros do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai decidiram suspender politicamente a Venezuela do Mercosul "por rutura da ordem democrática" no país.

Todos os outros países do Mercosul já reconheceram o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Em 2016, o presidente argentino criticou o governo de Maduro devido à alegada violação sistemática dos Direitos Humanos com presos políticos, ferindo a Cláusula Democrática do Mercosul.

Esta critica foi seguida pelos demais membros do bloco, apesar da também inicial resistência uruguaia.

No dia 7, o Uruguai foi o anfitrião da primeira reunião do Grupo de Contacto Internacional (GCI) em Montevidéu que terminou com uma declaração a favor de eleições livres, justas e transparentes na Venezuela, mas sem o aval de Bolívia e México.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.