Venezuela: Portugal é "modelo" de relações bilateriais

Elogios à cooperação entre os dois países foram referidos em comunicado emitido pelo Ministério de Relações Exteriores da Venezuela

A Venezuela elogiou hoje a "solidez" da cooperação entre Lisboa e Caracas, sublinhando que Portugal "é modelo" de relações bilaterais, "respeito e reconhecimento mútuo", o que tem permitido "solucionar" dificuldades normais no relacionamento entre Estados.

"Este é um modelo de relação que flui ao mais alto nível de respeito e reconhecimento mútuo", afirma um comunicado do Ministério de Relações Exteriores (MRE) da Venezuela, citando palavras do vice-ministro venezuelano de Cooperação Económica, Ramón Gordils.

As declarações de Gordils tiveram lugar no âmbito na X Comissão Mista de Acompanhamento do Acordo Complementar de Cooperação Bilateral que foi instalado na quinta-feira, em Lisboa, para avaliar e dar continuidade a iniciativas e projetos conjuntos.

Segundo o ministério venezuelano, a instalação teve lugar na sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal e foi presidida por Ramón Gordils, que também é presidente do Banco de Comércio Exterior da Venezuela, e pelo secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Oliveira.

Ramón Gordils destacou a importância das relações bilaterais entre ambos os países, "fazendo referência não só à cordialidade ao respeito mútuo que sempre têm sido mantido entre ambas nações, mas também a colocação em marcha de diversos projetos de cooperação".

"A nossa relação pode ilustrar-se em dois projetos em particular como é a modernização do porto de La Guaira (norte de Caracas) e a massificada inclusão tecnológica (computadores portáteis) dos nosso jovens e crianças. Nesses dois extremos podemos ver o quão importante é este trabalho conjunto", disse.

Por outro lado destacou ainda a "solidez das relações bilaterais", que tem permitido "resolver algumas dificuldades" que "é normal que ocorram em qualquer relação entre Estados, que têm sido solucionadas, mantendo em todo o momento a boa vontade e disposição.

"A peculiaridade desta comissão é o especial valor e apoio que levamos nas relações com Portugal e como tempos superado algumas dificuldades, o que nos tem levado a propor novas experiências e a consolidar projetos que já estão encaminhados e se incorporam nestas reuniões, que demonstram ainda a permanente cooperação", explica o comunicado.

Segundo o MRE, o secretário de Estado da Internacionalização português "mostrou-se agradecido pela presença da delegação venezuelana no país, para impulsionar e acompanhar todos os projetos alcançados no quadro da cooperação bilateral".

"As relações que temos com o povo do Governo da Venezuela são estreitas, e continuarão a ser, são de suma importância para o Governo de Portugal e isso não vai mudar, acompanhamos de perto o que ocorre no país, em todos os aspetos", disse.

Citando Jorge Oliveira, o comunicado refere que para Portugal este tipo de comissões servem para conversar e trabalhar em conjunto sobretudo "quando se tem o nível e o volume de relações comerciais e económicas que temos".

"É normal que surjam algumas dificuldades, mas para isso estamos aqui. Também para propor novas oportunidades de investimento, tanto para a Venezuela como para Portugal", afirmou Jorge Oliveira.

Ambas as delegações, portuguesa e venezuelana, realizaram as mesas de trabalho num ambiente de amizade e cordialidade, refere o comunicado.

"Durante as reuniões está a ser avaliada a cooperação bilateral em matéria industrial, transporte, obras públicas, petróleo, energia elétrica, ciência e tecnologia, a fim de impulsionar planos de cooperação conjunta e projetos enquadrados na Agenda Económica Bolivariana", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?