Pelo menos 113 pessoas morreram desde o início dos protestos na Venezuela

Fontes não oficiais dizem que o número de mortos é 116

Pelo menos 113 pessoas morreram desde 01 de abril na Venezuela, no âmbito de protestos contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro, que decorreram em várias localidades e que hoje continuam com uma "tomada" do país, contra a Assembleia Constituinte.

Fontes não oficiais apontam que o número de mortos será de 116.

Os últimos oito homicídios ocorreram durante a greve geral de quarta e quinta-feira, segundo o Ministério Público (MP) venezuelano, cuja página na Internet estava inacessível na manhã de hoje.

Entre as últimas vítimas está um polícia, Oneiver Quiñones, que foi baleado na cabeça, na localidade de Ejido, no Estado venezuelano de Mérida (670 quilómetros a sudeste de Caracas), onde na quarta-feira um homem de 30 anos, Rafael Antonio Balza Vergara, foi assassinado durante uma manifestação.

O MP investiga também os assassinatos de José Miguel Pestano Canelón (23 anos) ocorrido em Cabudare (360 quilómetros a sudoeste de Caracas), de Rafael Canache (29) em Anzoátegui (320 quilómetros a leste) e de Leonardo Augusto González Barreto (48), todos a 27 de julho.

No dia 26, no centro do país, faleceu Leonardo González Barreto (49) e dois adolescentes de 16 anos de idade, um deles em El Paraíso, Caracas, e o outro em Sucre, no vizinho Estado de Miranda.

Segundo o MP, desde 01 de abril foram registados 1.934 casos de pessoas feridas.

A oposição prevê iniciar hoje, a partir das 12:00 (17:30 em Lisboa), uma "tomada" da Venezuela, que se prolongará durante três dias, contra a Assembleia Constituinte, cujas eleições estão previstas para domingo e nas quais o regime elegerá os cidadãos que vão redigir uma nova Constituição, sem a participação da oposição.

A "tomada", que inicialmente seria de um dia e em Caracas, estendeu-se depois de o Governo venezuelano anunciar a proibição de reuniões e manifestações, para não prejudicar as eleições, e apesar de o ministro do Interior e Justiça, general Néstor Reverol, advertir que quem violar a proibição será penado com até 10 anos de prisão.

A oposição acusa o Executivo de pretender usar a Constituinte para acabar com o que fica de democracia e instaurar uma ditadura à cubana.

Os protestos intensificaram-se desde 01 de abril passado, depois de o Supremo Tribunal ter divulgado duas sentenças que limitam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assume as funções do parlamento.

A 01 de maio, Maduro anunciou a eleição de uma Assembleia Constituinte para alterar a Constituição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.