Parlamento venezuelano projeta inflação de 1000% em 2017

A inflação atual (últimos sete meses) é de 249%, mas a tendência é de atingir os 1000%

O Presidente da Comissão de Finanças do parlamento venezuelano, o economista José Guerra, alertou hoje que a situação venezuelana se agravará nos próximos meses e que a inflação atingirá os 1.000% em finais de 2017.

"A inflação atual (últimos sete meses) é de 249%, mas a tendência é de atingir os 1.000% para final de ano (...). É a inflação mais alta do mundo, está a moer e a destruir o salário e a capacidade aquisitiva do povo venezuelano", disse aos jornalistas.

Segundo José Guerra, na Venezuela a "situação é de extremada precariedade", com os preços a subirem devido à "criação de dinheiro inorgânico" pelo Banco Central da Venezuela, por instruções do executivo.

"É o impacto da quantidade de dinheiro do Banco Central o que está a criar que um quilograma de massa tenha um preço de 18 mil bolívares (5,15 euros à taxa oficial de câmbio mais alta)", frisou.

Com relação ao sistema de controlo cambial que desde 2003 vigora no país e que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira, recomendou ao Governo flexibilizar e transformar as três taxas oficias numa só.

"Unificar os tipos de câmbio, flexibilizar o controlo de preços, ir aos mercados internacionais, refinanciar a dívida pública, travar a impressão de dinheiro e aplicar uma nova política petrolífera", disse.

Por outro lado, explicou que "é dramática" a situação da empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A. (Pdvsa), porque a produção está em queda desde há 10 meses e a companhia está "altamente endividada".

"A dívida com fornecedores locais e estrangeiros é praticamente de 20 mil milhões de dólares", frisou, precisando que a produção diária é de dois milhões de barris de petróleo, dos quais entre 500 mil e 600 mil destinam-se ao consumo interno.

Dos 1,4 milhões restantes, explicou, 300 mil vão para a China e outros 300 mil para a Rússia, para o pagamento de financiamentos.

"O que se gera em caixa é um milhão de barris (diários), por isso estamos numa situação de absoluta precariedade", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.