Parlamento venezuelano projeta inflação de 1000% em 2017

A inflação atual (últimos sete meses) é de 249%, mas a tendência é de atingir os 1000%

O Presidente da Comissão de Finanças do parlamento venezuelano, o economista José Guerra, alertou hoje que a situação venezuelana se agravará nos próximos meses e que a inflação atingirá os 1.000% em finais de 2017.

"A inflação atual (últimos sete meses) é de 249%, mas a tendência é de atingir os 1.000% para final de ano (...). É a inflação mais alta do mundo, está a moer e a destruir o salário e a capacidade aquisitiva do povo venezuelano", disse aos jornalistas.

Segundo José Guerra, na Venezuela a "situação é de extremada precariedade", com os preços a subirem devido à "criação de dinheiro inorgânico" pelo Banco Central da Venezuela, por instruções do executivo.

"É o impacto da quantidade de dinheiro do Banco Central o que está a criar que um quilograma de massa tenha um preço de 18 mil bolívares (5,15 euros à taxa oficial de câmbio mais alta)", frisou.

Com relação ao sistema de controlo cambial que desde 2003 vigora no país e que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira, recomendou ao Governo flexibilizar e transformar as três taxas oficias numa só.

"Unificar os tipos de câmbio, flexibilizar o controlo de preços, ir aos mercados internacionais, refinanciar a dívida pública, travar a impressão de dinheiro e aplicar uma nova política petrolífera", disse.

Por outro lado, explicou que "é dramática" a situação da empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A. (Pdvsa), porque a produção está em queda desde há 10 meses e a companhia está "altamente endividada".

"A dívida com fornecedores locais e estrangeiros é praticamente de 20 mil milhões de dólares", frisou, precisando que a produção diária é de dois milhões de barris de petróleo, dos quais entre 500 mil e 600 mil destinam-se ao consumo interno.

Dos 1,4 milhões restantes, explicou, 300 mil vão para a China e outros 300 mil para a Rússia, para o pagamento de financiamentos.

"O que se gera em caixa é um milhão de barris (diários), por isso estamos numa situação de absoluta precariedade", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.