Venezuela: Número de detidos sobe para 1.486 em 21 dias

Uma organização não-governamental (ONG) venezuelana anunciou hoje que o número de pessoas detidas, nos últimos 21 dias, aumentou para 1.486, na sequência dos protestos da oposição contra o Governo do Presidente Nicolas Maduro.

O diretor da ONG Foro Penal Venezuelano (FPV), Alfredo Romero, sublinhou que dos 1.486 detidos, 71 foram formalmente acusados e viram confirmada a prisão, enquanto 801 encontram-se "retidos", a aguardar o desenvolvimento dos processos.

Do total dos detidos, 221 esperam a audiência com um juiz e 149 foram libertados, mas têm que se apresentar regularmente às autoridades, acrescentou.

As autoridades venezuelanas libertaram 461 pessoas sem obrigatoriedade de apresentação periódica, 75 obtiveram a liberdade plena e 509 dos detidos aguardam a atribuição de um responsável, disse Romero.

As manifestações convocadas pela aliança de oposição Mesa de Unidade Democrática (MUD) contra o Governo intensificaram-se nas últimas três semanas na Venezuela.

A oposição exige a realização de eleições gerais, a libertação dos presos políticos e o fim da repressão.

Pelo menos 24 pessoas foram mortas durante os protestos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.