Venezuela: Número de detidos sobe para 1.486 em 21 dias

Uma organização não-governamental (ONG) venezuelana anunciou hoje que o número de pessoas detidas, nos últimos 21 dias, aumentou para 1.486, na sequência dos protestos da oposição contra o Governo do Presidente Nicolas Maduro.

O diretor da ONG Foro Penal Venezuelano (FPV), Alfredo Romero, sublinhou que dos 1.486 detidos, 71 foram formalmente acusados e viram confirmada a prisão, enquanto 801 encontram-se "retidos", a aguardar o desenvolvimento dos processos.

Do total dos detidos, 221 esperam a audiência com um juiz e 149 foram libertados, mas têm que se apresentar regularmente às autoridades, acrescentou.

As autoridades venezuelanas libertaram 461 pessoas sem obrigatoriedade de apresentação periódica, 75 obtiveram a liberdade plena e 509 dos detidos aguardam a atribuição de um responsável, disse Romero.

As manifestações convocadas pela aliança de oposição Mesa de Unidade Democrática (MUD) contra o Governo intensificaram-se nas últimas três semanas na Venezuela.

A oposição exige a realização de eleições gerais, a libertação dos presos políticos e o fim da repressão.

Pelo menos 24 pessoas foram mortas durante os protestos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.