Venezuela: Mais de 150 civis presos por decisão de tribunais militares

Denúncia está a ser feita por uma organização não-governamental

Pelo menos 155 civis foram presos na Venezuela por ordem de tribunais militares desde o início da onda de protestos antigovernamentais, em 01 de abril, denunciou na sexta-feira a organização Fórum Penal Venezuelano (FPV).

Segundo a organização não-governamental, de defesa dos direitos humanos, 260 pessoas foram julgadas por tribunais militares, um ato que viola a Constituição que prevê que apenas soldados devem ser presentes a este tipo de instância.

Do total, 155 ficaram privados de liberdade, ao serem enviados para a prisão.

"Só no [estado de] Carabobo (norte do país), 23 pessoas foram hoje presentes a tribunais militares. O número vai aumentar", declarou Luis Betancourt, advogado da organização não-governamental, à agência noticiosa francesa AFP.

A vaga de manifestações contra o governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, intensificou-se desde o início de abril, resvalando, por diversas vezes, em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 38 mortos, e centenas de feridos e detidos, segundo dados oficiais.

O julgamento de civis por parte de militares é uma "prática das ditaduras", comentou o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, um dos mais críticos no panorama internacional da situação que vive a Venezuela, a qual tem desencadeado também preocupação das Nações Unidas ou União Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.