Maduro quer indemnização por 5,6 milhões de colombianos a viver no país

Maduro reagiu desta fora às declarações do homólogo colombiano que disse existir na Venezuela uma "ditadura desprezível"

O presidente Nicolás Maduro anunciou, na segunda-feira, que vai recorrer a instâncias internacionais para que a vizinha Colômbia indemnize a Venezuela por ter acolhido 5,6 milhões de colombianos, que permanecem no país.

"Vamos usar todos os mecanismos internacionais para que o Governo da Colômbia indemnize a Venezuela pelos cinco milhões e 600 mil colombianos que estão aqui e que recebem todos os serviços, já que vieram para o país numa situação de pobreza", declarou.

Nicolás Maduro falava à imprensa, no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, após receber as cartas credenciais dos novos embaixadores da Alemanha, do Qatar e da Índia.

"Aprovei a ideia de avançar com uma queixa a nível internacional contra a Colômbia pelos colombianos que temos aqui. Não vão ter como pagar", frisou.

Maduro reagia às declarações do homólogo colombiano, Iván Duque, que também na segunda-feira, na Cidade do Panamá, afirmou existir na Venezuela uma "ditadura desprezível", sendo necessário o apoio de todo o continente para combater a crise humanitária e migratória venezuelana.

Em resposta, Nicolás Maduro sublinhou que vai usar "todos os canais legais internacionais" para receber uma indemnização "por todos os colombianos que receberam atenção, saúde, educação", sem qualquer queixa das autoridades da Venezuela.

Por outro lado, o chefe de Estado venezuelano denunciou que a Colômbia está a promover "um plano estúpido" de intervenção da Venezuela e advertiu que "ninguém tocará" no seu país.

Maduro adiantou que vai denunciar também, a nível internacional, a xenofobia contra os emigrantes venezuelanos.

De acordo com a ONU, pelo menos 2,3 milhões de venezuelanos estão radicados no estrangeiro, incluindo 1,6 milhões que emigraram desde 2015, devido ao agravamento da escassez de alimentos, medicamentos e aos altos preços dos produtos na Venezuela, tendo em conta os baixos salários.

Países como o Brasil, a Colômbia, o Chile, o Panamá, a Argentina e o Equador são os principais destinos dos venezuelanos que emigraram para países da América do Sul.

Nicolás Maduro continua a rejeitar a existência de um êxodo causado pela crise no país, afirmando tratar-se de "uma campanha mundial para justificar uma política de intervenção". Assim, o Presidente da Venezuela ordenou a criação de uma ponte aérea para trazer os cidadãos que pretendam regressar a casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?