Maduro pede a empresários que evitem exemplo de Ronaldo

"Saiu de Espanha porque foi perseguido por causa da diferença entre os impostos que pagou e os impostos que tinha de declarar, até o iam meter na prisão", disse na quarta-feira

O presidente da Venezuela pediu aos empresários do país que respeitem as leis fiscais para evitarem cometer crimes, dando como exemplo o processo seguido pelo fisco espanhol contra o futebolista português Cristiano Ronaldo.

"Cristiano Ronaldo saiu de Espanha porque foi perseguido por causa da diferença entre os impostos que pagou e os impostos que tinha de declarar, até o iam meter na prisão", disse na quarta-feira Nicolás Maduro, dirigindo-se aos empresários do país sobre a nova reforma tributária.

Antes de deixar Espanha, para ingressar no clube italiano juventus, Ronaldo acordou com as autoridades fiscais espanholas o pagamento de 18,8 milhões.

Ronaldo estava acusado de ter, de forma "consciente", criado empresas na Irlanda e nas Ilhas Virgens britânicas, para defraudar o fisco espanhol em 14.768.897 euros, cometendo quatro delitos contra os cofres do Estado espanhol, entre 2011 e 2014.

Maduro deu também o exemplo do argentino Lionel Messi, do Barcelona, e o brasileiro Neymar, do PSG, lembrando que também eles foram alvo de investigação por parte do fisco espanhol.

A Venezuela sofre uma grave crise económica com hiperinflação e escassez, o que forçou Maduro a lançar um pacote de medidas que incluem uma reforma tributária direcionada a empresas e cidadãos "mais ricos", segundo a autoridade fiscal do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.