Venezuela: Maduro cria novo partido para impulsionar reeleição presidencial

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, criou um novo partido, o Movimento Somos Venezuela (MSV), que terá como missão impulsionar a sua reeleição nas próximas eleições presidenciais.

"Hoje (quarta-feira) nasce um novo movimento político: moderno, inclusivo, popular, jovem, do futuro", anunciou o próprio na sua conta da rede social Twitter.

O anúncio surge no mesmo dia em que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) marcou eleições presidenciais antecipadas para o próximo 22 de abril.

A formalização do novo partido foi feita pela presidente da Assembleia Constituinte (composta unicamente por apoiantes do regime), Delcy Rodríguez, que entregou ao CNE os estatutos do MSV e convidou os venezuelanos, via televisão estatal, a usar as 24 redes (uma por cada estado que compõe o país) para nele se inscreverem.

A presidente da Assembleia Constituinte explicou também que o MSV é um "movimento de movimentos sociais" composto por representantes de jovens, mulheres, empresários, estudantes, trabalhadores, camponeses e indígenas.

Delcy Rodríguez indicou ainda que ela mesma vai "desfiliar-se formalmente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo)", para poder juntar-se ao novo movimento e garantir assim que não existe dupla militância política.

O MSV agrupará ainda os movimentos que fazem parte do Congresso da Pátria (composto por socialistas), os portadores do Cartão da Pátria, que dá acesso a programas sociais estatais e os "migrantes" que chegaram à Venezuela.

Segundo o canal venezuelano privado de notícias, Globovisión, o MSV surgiu em junho de 2017, como um mecanismo social do Estado para verificar os dados de cada um dos beneficiários do Cartão da Pátria.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.