Venezuela investiga desvio de toneladas de carne para restaurantes de portugueses

Na Venezuela, é considerado um delito punível com pena de prisão o desvio de alimentos importados pelo Estado para estabelecimentos privados

As autoridades venezuelanas revelaram na sexta-feira que estão a investigar um empresário que alegadamente desviou 40 toneladas de carne de vaca importada pelo Estado para três restaurantes de portugueses em Caracas.

"A Polícia Nacional Contra a Corrupção determinou que um acionista de uma empresa privada, a quem foi concedida uma licença de importação, mantinha redes de corrupção", escreveu o ministro venezuelano do Interior e Justiça, Gustavo Gonzálo López, na rede social Twitter.

Segundo Gustavo González López, o empresário "fazia uso de duas das suas empresas" para vender "a carne de melhor qualidade a restaurantes do leste de Caracas" que "tiravam proveito da comida do povo para alimentar as suas algibeiras e desestabilizar política e economicamente" a Venezuela.

"Mais de 40 toneladas de carne importada foram desviadas para restaurantes como El Alazán, Burguer Shack e Pequena Suíça de El Hhatillo", explicou.

Na Venezuela, é considerado um delito punível com pena de prisão o desvio de alimentos importados pelo Estado para estabelecimentos privados, sem a prévia autorização do Executivo.

Os proprietários de restaurantes queixam-se com frequência de dificuldades em conseguir alguns dos produtos usados na preparação dos menus diários.

Por outro lado, os venezuelanos queixam-se de dificuldades em conseguir alguns produtos alimentares, que escasseiam no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.