Guaidó aguarda caravana de deputados junto a fronteira com Colômbia

Presidente interino não viajou no autocarro com os deputados, ao contrário do que teria sido avançado pela sua equipa.

O líder do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino, já está na fronteira com a Colômbia a aguardar a chegada de uma caravana de deputados da oposição, que saiu de Caracas.

A informação é avançada pela agência espanhola Efe, depois de ter sido noticiado anteriormente que Guaidó estaria no interior de um dos autocarros da caravana de deputados que seguiu de Caracas com destino a San Cristóbal, perto da fronteira com a Colômbia. Essa informação teria sido de um dos seus porta-vozes.

Segundo vídeos difundidos nas redes sociais, a Guarda Nacional venezuelana bloqueou a viagem da caravana de deputados da oposição, obrigando-os a sair do autocarro e a manter um breve confronto com os militares.

Numa das gravações, é possível ver o deputado Richard Blanco a pedir, aos gritos, aos funcionários que permitam a passagem da comitiva e a perguntar se encontram com facilidade alimentos e medicamentos.

Outras imagens mostram os deputados a atravessar a pé o túnel, mas de imediato autocarros nos quais se faziam transportar usaram o sentido inverso para ultrapassar o bloqueio.

"Isto é uma tentativa de homicídio, não é possível os nossos polícias chegarem a isto. Este trabalho também o estamos a fazer para vocês", declarou a deputada Mariela Magallanes citada pela agência Efe.

Os deputados partiram na manhã de quarta-feira de Caracas, com destino ao Estado de Táchira, fronteiro com Colômbia, para liderar a entrada de ajuda humanitária que se acumula na cidade colombiana de Cúcuta e que servirá para aliviar a crise que o país enfrenta.

O confronto de hoje acontece numa altura em que se aproxima a data-limite (sábado) anunciada pelo autoproclamado Presidente interino Juan Guaidó para a entrada de ajuda humanitária internacional no seu país.

Apesar da rejeição do Governo de Nicolás Maduro, que considera esta entrada de ajuda humanitária um pretexto para lançar uma invasão armada, há cerca de 700 mil voluntários disponíveis para acolher, em vários postos fronteiriços, ajuda dos Estados Unidos e do Brasil.

A crise política na Venezuela, onde vivem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos EUA.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.